Wadi Rum – Why You Should Spend 2 Days in the Desert

ENG

Wadi Rum is considered one of the most beautiful deserts in the world.

As much as you know how extraordinary it is, nothing compares to seeing it with your own eyes and for those who, like me, are fans of the desert, this is a unique experience.

I know I am the kind of person who likes extreme environments and harsh landscapes, but this visit also had the human side included which exceeded all expectations.

With an area of approximately 720 km2, it is located in southern Jordan, near the border with Saudi Arabia.

Its unequivocal importance makes it classified as a national park since the 1990s and as a natural and cultural heritage site by Unesco since 2011.

The unique landscape of Wadi Rum is mostly characterized by its reddish orange color, where dunes and rock formations merge, and natural arches and towering cliffs mark the landscape.

Disclaimer: I use affiliate links here, which means that if you buy something through my affiliate links, I receive commission at no additional cost to you! My views and opinions are never influenced by that! I only recommend products and services that I use! Read my disclosure for more information.

Wadi Rum
Wadi Rum view

It is no coincidence that many famous Hollywood films have been filmed here, from Lawrence of the Arabia to Star Wars. This desert has such a surreal landscape that makes us believe that a Salvador Dali painting has come to life and engulfed us.

The “surreality” we see during the day turns to magic when night comes, with dozens of shooting stars crossing the sky.

The historical heritage that can be found here is an open window to the beginnings of humanity. The more than 20,000 petroglyphs and rock inscriptions bear witness to human occupation and the interaction of nomads with their environment, going back 12,000 years.

To this day some Bedouins make Wadi Rum their home, living in camps, with camels and herds of goats, maintaining the nomadic routes and providing those who visit the desert a living portrait of our origins.

Camels caravan

However, it is unquestionable that over the last few years, tourism has changed the way of life of the desert people, and what were once nomadic caravan routes have become those of the 4x4s crossing the sands to transport tourists.

The Wadi Rum experience
Credits: Francisco Agostinho – 100Rota

There are few places that leave me speechless, such is the excess of emotions they make me feel.

Wadi Rum managed to make me shut up to listen to it. It’s amazing how such an inhospitable place can be so fragile and delicate.

Arriving in Wadi Rum mid-morning, allowed us to explore the first part of the desert without much heat yet.

One of the goals was to visit the small canyon that contains the petroglyphs and culminates in a small waterfall.

It is, without a doubt, impressive to see those inscriptions on the rocks, which document what has been the interaction of man with the environment around him.

Petroglyphs in the canyon

The need that mankind has always had to document mundane life, means that today we have a glimpse of what it was like to live thousands of years ago.

We then drove across the desert through monumental escarpments and impressive dunes, always with the ochre tones as our background palette, painted with the green of the bushes.

I can’t say enough that this place is surreal.

Speaking of impressive dunes, logically the trip to Wadi Rum could not fail to have a descent of them in radical style … or maybe not, considering my lack of skill for these things!

But it was worth it for the laughs.

Checking the dunes before the adventure.
Credits: Francisco Agostinho – 100Rota

As the morning progressed, the temperature was rising and the need for a break became clear.

Our guides (skillful drivers of the 4x4s we were in, until we got stuck ahah) were profound desert connoisseurs, like good Bedouin children of the desert.

When it was time for lunch, they took us to a kind of canyon, with some trees, spread the blankets on the ground and made us lunch.

It is spectacular how there, in no time at all, a fire was made and a stew cooked to join the rest of the meal.

Our tour guides cooking the meal

After lunch, in the shade of the escarpment and while the intense heat didn’t pass, some people took the opportunity to take a nap, others to play games.

One of the great things about the desert is that time has its own “time” and the rhythms are not the way we want them to be.

In the middle of the afternoon we hit the road again and visited a Bedouin camp, but the real kind of camp, where the family of the owner of the agency where the tour to Wadi Rum was hired lives.

Camel at the Bedouin camp

And it was there that the desert stole a piece of my heart.

It is always the people who make the places more special and for those who, like me, are fascinated by getting to know other cultures, this was “THE” experience in Jordan.

The camp consisted of 3 large tents. The first, visibly the family living area and also sleeping space. The second, which served as the kitchen and dining area.

And the third, was the storage area, with the vast majority of the family’s belongings.

All around the camp are the family’s animals, consisting of herds of goats and a sizable cattery.

When there are male visitors in the camp the women of the family do not go to the first tent, so as not to be seen.

There is even a kind of siding made with cloth that divides the outside spaces between the 2 main tents.

We asked the patriarch if it was possible for the women of the group to visit the tent where his wife and daughter were.

He responded with a smile and announced that we were going.

I went ahead and as I turned the corner of the cloth that divided the areas, I was greeted by a girl with a shy but broad smile.

With a honey-colored complexion and eyes in shades of emerald, the features thin and delicate. The was like a princess in the desert.

We sat on the floor mats, around the makeshift fire in the middle of the tent, while she began to prepare some mint tea for us.

It was then that Mom arrived and joined us.

The lady greeted us with a smile. She did not speak a word of English and asked her daughter to translate everything we said.

Although the daughter also spoke little English, she could communicate with us.

It was then that I realized that the lady was staring at me. Maybe because I was different from the other women in the group.

I am blonde and very white, which is not very common around here.

I smiled at her and it was as if I had flipped the switch to unblock language and cultural barriers.

She stood up and gently beckoned me with her hand to follow her. She wanted to show me her animals!

Credits: Ana Santos

A whole moment of gesticulating followed, where she asked me to stroke the camels and their young. I asked if I could take a picture.

She pointed to the animals and nodded yes. She pointed at herself and nodded no.

Women do not (or cannot) want to be photographed. At least not without the permission of the men in the family.

As such, there was no photographic record of these moments. Nevertheless, they will remain forever in my memory.

When it was time to say goodbye, after tea and socializing, I went to the daughter, the girl with the green eyes, to say goodbye.

She gave me a long, tight hug, the kind that speaks more than any conversation we could have had. It is extraordinary how universal affection is.

We then headed to some iconic places in Wadi Rum, such as the natural arches. You can imagine that being iconic places, they are also quite touristy.

Natural arch

And there I was, watching hordes of people climbing the arch with their legs shaking from vertigo and coming down on their asses, clinging to the ground.

I dismissed this experience because I didn’t think it was very convenient to put my physical integrity at risk, since I have vertigo.

I believe that, for many, the climb is part of the check list of “things to do in Wadi Rum”.

To close the day, and before heading to the camp where we would spend the night, we went to see the sunset.

The vastness of the desert, the sound of the wind, the immensity of nature. Everything so perfect that makes us, for a moment, doubt that it’s possible to be there.

Sunset at Wadi Rum

At dusk we headed back to the camp. It was there that we had the best meal of the whole trip to Jordan, at least in my opinion.

From a hole in the sand came our dinner, cooked slowly on hot coals, in the traditional manner.

Finally, and with our bodies already begging for rest, we let ourselves go to the sound of Bedouin music, danced around the fire and, lying on the sand, watched the moon rise with flavors of shisha.

The starry desert sky is absolutely epic and the magic of seeing dozens of shooting stars crossing the firmament is incomparable.

The next day I got up at 05:00 am. I had sworn to myself that I would not miss the sunrise spectacle.

I left the tent barefoot and went to lie down on the cold night sand while waiting for the star king.

Credits: Vânia Relvas

While everyone was sleeping I had the opportunity to realize how deafening the silence of the desert can be.

It was as if life was suspended until the first rays of morning appeared. Gradually, the sky changes color and life gets into the rhythm.

It was time to eat breakfast and pack the backpack to leave.

We went through Wadi Rum for the last time and I was sure that I brought a little bit of it with me, in my heart.

Some places leave their mark on you, and you can’t always explain why. But one day I will return!


PT

O Wadi Rum é considerado um dos desertos mais bonitos do mundo.

Por muito que se saiba o quão extraordinário é, nada se compara a vê-lo com os nossos próprios olhos e para quem, como eu, é fã do deserto, esta é uma experiência única.

Com uma área aproximada de 720 km2, localiza-se no sul da Jordânia, perto da fronteira com a Arábia Saudita.

A sua inequívoca importância faz com que esteja classificado como parque nacional desde a década de 90 e como património natural e cultural pela Unesco desde 2011.

O panorama único do Wadi Rum é caracterizado maioritariamente pela cor laranja avermelhada, onde as dunas e as formações rochosas se fundem, e os arcos naturais e os penhascos imponentes marcam a paisagem.

Wadi Rum

Não é por acaso que aqui já se filmaram muitas películas Hollywoodescas famosas, desde o Lawrence of the Arabia ao Star Wars.

Este deserto tem uma paisagem tão surreal que nos faz acreditar que um quadro de Salvador Dali ganhou vida e nos engoliu.

A “surrealidade” que vemos durante o dia passa a magia quando chega a noite, com dezenas de estrelas cadentes a cruzarem o céu.

A herança histórica que se encontra por aqui, é uma janela aberta para os primórdios da humanidade.

Os mais de 20.000 petróglifos e as inscrições nas rochas são o testemunho de ocupação humana e da interação dos nómadas com o meio ambiente, desde há 12.000 anos.

Até aos dias de hoje alguns Beduínos fazem do Wadi Rum a sua casa, vivem em acampamentos, com os camelos e rebanhos de cabras, mantendo as rotas nómadas e proporcionando a quem visita o deserto um retrato vivo das nossas origens.

Caravana de camelos a atravessar o deserto

No entanto, é indiscutível que, ao longo dos últimos anos, o turismo tem alterado o modo de vida das gentes do deserto, e o que eram as rotas de caravanas dos nómadas de antigamente, passaram a ser as dos 4X4 que atravessam as areias para transportar turistas.

A experiência no Wadi Rum
Créditos: Francisco Agostinho – 100Rota

Há poucos lugares que me deixam sem palavras, tal é o excesso de emoções que me fazem sentir.

O Wadi Rum conseguiu fazer-me calar para o ouvir. É incrível como um lugar tão inóspito pode ser tão frágil e delicado.

Chegar ao Wadi Rum a meio da manhã, permitiu explorar a parte inicial do deserto ainda sem muito calor.

Um dos objetivos era visitar o pequeno Canyon que contem os petróglifos e culmina numa cascata.

É, sem dúvida, impressionante ver aquelas inscrições nas rochas, que documentam aquilo que foi a interação do homem com o meio ambiente em seu redor.

Petroglifos no canyon

 A necessidade que a humanidade sempre teve de documentar a vida mundana, faz com que hoje tenhamos um vislumbre do que foi viver há milhares de anos.

Depois, fomos cruzando o deserto por entre escarpas monumentais e dunas impressionantes, sempre com os tons ocre como paleta de fundo, pintalgados do verde dos arbustos.

Não me canso de dizer que este lugar é surreal.

Falando em dunas impressionantes, logicamente que a ida ao Wadi Rum não podia deixar de ter uma descida das mesmas em grande estilo radical… ou talvez não, considerando a minha falta de jeito para estas coisas!

Mas valeu pelas gargalhadas.

Verificar as dunas antes da aventura.
Créditos: Francisco Agostinho – 100Rota

À medida que a manhã ia avançando, a temperatura ia subindo e a necessidade de uma pausa ia-se fazendo sentir.

Os nossos guias (condutores hábeis dos 4×4 em que seguíamos, até atolarmos ahah) eram profundos conhecedores do deserto, como bons Beduínos filhos do deserto.

Chegada a hora do almoço, levaram-nos a uma espécie de Canyon, com algum arvoredo, estenderam as mantas no chão e fizeram-nos o almoço.

É espetacular como ali, em menos de nada, foi feita uma fogueira e cozinhado um refogado para juntar ao resto do pitéu.

Os nossos guias a prepararem o almoço

Depois do almoço, na sombra da escarpa e enquanto o calor intenso não passava, houve quem aproveitasse para fazer uma sesta, outros para jogar jogos.

Uma das coisas fantásticas do deserto é que aqui o tempo tem um “tempo” próprio, e os ritmos não são como nós queremos.

A meio da tarde fizemo-nos novamente “à estrada” e fomos visitar um acampamento Beduíno, mas daqueles mesmo a sério, onde vive a família do dono da agência onde foi contratado o tour ao Wadi Rum.

Camelo no acampamento Beduíno

E foi aqui que o deserto me roubou um pedaço do coração.

São as pessoas que tornam os lugares mais especiais e para quem, como eu, é fascinado por conhecer outras culturas, esta foi “A” experiência na Jordânia.

O acampamento era composto por 3 grandes tendas. A primeira, visivelmente a área de convívio da família e também de espaço de dormir.

A segunda, que servia de cozinha e área de refeição. E a terceira, era a zona dos arrumos, com a grande maioria dos pertences da família.

A toda a volta do acampamento estão os animais da família, que consistem em rebanhos de cabras e numa cáfila de tamanho considerável.

Quando há visitas masculinas no acampamento as mulheres da família não vão à primeira tenda, para não serem vistas.

Há até uma espécie de tapume feito com pano que divide os espaços exteriores entre as 2 tendas principais.

Pedimos ao patriarca se era possível as mulheres do grupo visitarem a tenda onde estavam a sua mulher e a filha. Acedeu com um sorriso e fez anunciar a nossa ida.

Fui à frente e ao virar a esquina do pano que dividia as áreas, fui recebida por uma rapariga de sorriso tímido, mas rasgado.

Com uma tez cor de mel e os olhos em tons de esmeralda, as feições finas e delicadas. Parecia uma princesa do deserto.

Sentámo-nos nos tapetes no chão, à volta da fogueira improvisada no meio da tenda, enquanto ela nos começou a preparar um chá de menta.

Foi então que chegou a mãe e se juntou a nós.

A senhora cumprimentou-nos com um sorriso. Não falava uma palavra de inglês e pedia à filha que traduzisse tudo o que dizíamos.

Se bem que a filha também falava pouco inglês, mas conseguia comunicar connosco.

Foi então que percebi que a senhora olhava fixamente para mim. Talvez por eu ser diferente das restantes mulheres do grupo.

Sou loira e muito branca, coisa pouco comum por aquelas bandas.

Sorri para ela e foi como se tivesse carregado no interruptor de desbloquear barreiras linguísticas e culturais.

Levantou-se e, gentilmente, fez-me sinal com a mão para que a seguisse. Queria mostrar-me os seus animais!

Créditos: Ana Santos

Seguiu-se todo um momento de gesticulação, onde me pediu para afagar as camelas e as respetivas crias. Perguntei se podia fotografar.

Apontou para os animais e acenou que sim. Apontou para ela mesma e acenou que não.

As mulheres não querem (ou não podem) ser fotografadas. Pelo menos não sem a autorização dos homens da família.

Como tal, não houve registo fotográfico destes momentos. Não obstante, vão ficar para sempre na minha memória.

Chegada a hora da despedida, depois do chá e do convívio, dirigi-me à filha, a rapariga dos olhos verdes, para me despedir.

Deu-me um abraço demorado e apertado, daqueles que falam mais do que alguma conversa que poderíamos ter tido.

É extraordinário como os afetos são universais.

Dirigimo-nos depois para alguns lugares icónicos do Wadi Rum, como os arcos naturais.

É possível calcular que sendo lugares icónicos, são também lugares bastante turísticos.

Arco natural

E foi ver magotes de gente a subir ao arco com as pernas a tremer por causa das vertigens e a descerem de rabo, agarrados ao chão.

Dispensei esta experiência porque não achei muito conveniente colocar a minha integridade física em risco, já que tenho vertigens de morte.

Acredito que, para muitos, a subida faça parte da check list de “coisas a fazer no Wadi Rum”.

Para fechar o dia, e antes de nos dirigirmos ao acampamento onde iriamos pernoitar, fomos ver o por-do-sol.

A vastidão do deserto, o som do vento, a imensidão da natureza. Tudo tão perfeito que nos faz, por momentos, duvidar que seja possível estar ali.

O pôr-do-sol no Wadi Rum

Já no lusco-fusco dirigimo-nos para o acampamento. Foi lá que jantámos a melhor refeição de toda a viagem à Jordânia, pelo menos na minha opinião.

De um buraco na areia surgiu o nosso jantar, cozinhado lentamente nas brasas, ao jeito tradicional.

Por fim, e já com o corpo a pedir descanso, deixámo-nos levar pela música beduína, dançámos em redor da fogueira e, deitados na areia, observámos o nascer da lua com aromas de shisha.

O céu estrelado no deserto é absolutamente épico e a magia de ver dezenas de estrelas cadentes a cruzar o firmamento, é incomparável.

No dia seguinte levantei-me às 05h00 da manhã. Tinha jurado a mim mesma que não ia perder o espetáculo do nascer do sol.

Saí da tenda descalça e fui-me deitar na areia ainda fria da noite, enquanto esperava pelo astro rei.

Créditos: Vânia Relvas

Enquanto todos dormiam tive oportunidade de perceber o quão ensurdecedor consegue ser o silencio do deserto.

Era como se a vida estivesse em suspenso até que surgissem os primeiros raios da manhã. Aos poucos, o céu vai mudando de cor e a vida vai entrando no ritmo.

Eram horas de tomar o pequeno almoço e de arrumar a mochila para ir embora.

Percorremos o Wadi Rum pela última vez e fiquei com a certeza de que trouxe um bocadinho dele comigo, no coração.

Há lugares que nos marcam, nem sempre conseguimos explicar porquê.

Mas um dia hei de voltar!

Aviso: Utilizo links de afiliação, o que significa que se comprarem algo através dos meus links de afiliação, recebo comissão sem custos adicionais para vocês! Os meus pontos de vista e opiniões nunca são influenciados por isso! Apenas recomendo produtos e serviços que utilizo! Leiam a minha divulgação para mais informações.

16 thoughts on “Wadi Rum – Why You Should Spend 2 Days in the Desert”

  1. Adorei a informação e as fotos. Como sempre acontece, quando visito o Blog, fico com vontade de ir.😍🤩

  2. Awesome post, maybe even more days would be a good option too, it seems like there’s a lot to experience over there 🙌🏻

  3. Happy Little Traveler

    Awesome post, very useful with amazing photos. Made me want to visit Jordan even more! 🙂

  4. Pingback: Jordan – 12 Days Road Tripping The Kingdom of Smiles »

      1. Awesome experience!! I agree that connecting with people and the culture is what makes our trips true experiences. Thank you for sharing your moments with us!

Leave a Reply

%d bloggers like this: