Trípoli – What you hear is (NOT) what you get

ENG

Tripoli is the perfect example that what you hear is not always what you get. When I went to Tripoli I had the preconceived idea, formed by the international press reports, that it would be a very poor city, where the inhabitants did not like to receive foreigners and that it would be a somewhat dangerous destination.

Disclaimer: I use affiliate links here, which means that if you buy something through my affiliate links, I receive commission at no additional cost to you! My views and opinions are never influenced by that! I only recommend products and services that I use! Read my disclosure for more information.

Central Tripoli

So let’s talk about places to visit in Tripoli and the experience we had there:

The Old Souks

These are undoubtedly the most vibrant places in the city. There you will find everything you can imagine, from vegetables, to fish, meat, gold, clothing, and traditional soaps.

It is the place where smiles are broad and curiosity about where travelers come from is openly expressed.

It is also the place where you cannot say “no” to the offers that pile up, from tea to bread. The Lebanese are happy to receive and make a point of offering a bit of their culture to those who visit, which inevitably includes food.

Cat at the Souk

It was in an alley in one of the souks of Tripoli that, under a scorching sun, while we were distributing the water we had for everyone, that we heard a call from a window. It was an old lady who wanted to offer us fresh water.

She asked us to wait and shortly after, through a basket secured with a rope, she brought down her bottle of cold water and some plastic cups. Needless to say, she refused money for the water, she only asked not to be photographed.

In another souk, while photographing a bread stand, I was approached by the owner. Without speaking a word of the same language, he asked me to photograph him at his stand. It was visible how proud he was of his business.

After taking the picture I showed him the portrait. The result? He offered me a loaf of bread!

Bread seller

Lebanese people are like that, they give from the heart, without wanting anything in return.

The Tripoli Castle

Tripoli Castle overlooks the entire city. Like any building of its kind, it was erected on the highest point of the city.

The Castle was built in 1102-1103 on top of a Shiite cemetery from the Fatimi period with an octagonal mausoleum. The construction of the castle was initiated by the Crusader Raymond VI of Saint Gilles.
In 1516, Syria and Egypt fell to the Ottoman Sultan Selim I.

His son and successor Suleiman I, called “the Magnificent” (1520-1566), shortly after his emplacement paid a visit to his newly conquered lands. He then met in Damascus with all his provincial governors and on this occasion made the decision to rebuild the great citadel of Tripoli.

In the years that followed, various Ottoman governors of Tripoli did restoration work on the citadel to meet their needs. In the early 1900s, the citadel was extensively restored by Ottoman governor of Tripoli Mustafa Agha Barbar.

Very little of the original structure ordered erected by the Crusader has survived to the present day. The tombs of several nameless Frankish knights, here and there, are currently the only evidence of their presence on the heights of Tripoli’s “Pilgrim’s Mountain” many centuries ago.

Be sure to visit the Castle and delight yourself with the fabulous views over the city.

Credits: João Sousa – 100Rota

Rachid Karami International Fair

Tripoli has a permanent fairground designed by the famous Brazilian architect, Oscar Niemeyer. Important exhibitions, trade fairs and other events are held here regularly.

The vast majority of the space was never completed due to the beginning of the civil war in the country, causing it to be partly abandoned.

Still, it is absolutely essential to visit this space to contemplate the unfinished works of one of the most brilliant architects of the contemporary era, before it becomes just a memory of what could have been an auspicious place.

Credits: Francisco Agostinho – 100Rota

El-Mina

El-Mina is the waterfront area, with pedestrian areas that allow you to enjoy the old city. It is from this port area that the leisure boats depart to visit the group of islands off Tripoli.

The Palm Islands Nature Reserve, or Rabbit Island, is the largest of these with an area of 20 hectares. The name “Araneb” or Rabbits, comes from the large number of rabbits that were raised there during the French occupation in the early 20th century.

Today, it is a nature reserve for green turtles, rare birds and rabbits. Declared a UNESCO protected area in 1992, camping, bonfires, or other forms of environmental devastation are prohibited. Besides its scenic landscape, Palm Island is also a cultural heritage site.

Credits: Inês Jorge

Tabbaneh

Tabbaneh has a heavy history of conflict between rival groups. As described by the UN in the 2018 report, “Tabbaneh is a predominantly residential neighborhood in East Tripoli, on the eastern banks of the Abu Ali River.

It is a low-income and disadvantaged neighborhood, exhibiting relative fragility in terms of historically rooted tensions affecting the security situation, poor provision of basic social and urban public services, and limited livelihood opportunities.

Covering an area of 0.42 square kilometers, it accommodates 20,449 people, the vast majority (82.9 percent) of whom are Lebanese. Of the remaining 17.1 percent, the majority (15.3 percent of total residents) are Syrian, while 0.5 percent are Palestinian refugees from Syria.

A sample household survey suggests that of non-Lebanese households, 78.3 percent arrived in Lebanon between 2011 and 2017, suggesting the extent to which the Syrian refugee crisis, which began in 2011, has driven the recent demographic changes.”

Notwithstanding the reports from official entities and what we see in the news, we went to visit the neighborhood, since we were accompanied by our tour leader, João Sousa, who knows the local reality.

The main objective would be to see the urban art that spreads through the walls of the neighborhood. However, we had a surprise that surpassed everything we could have imagined about that place.

We were welcomed with open arms by the neighborhood residents. Building doors were opened so that we could go to the terraces and enjoy the view of the city. Group photos were taken and toasts were made.

We were given a personalized explanation about the war scars visible on the walls, caused by the conflicts. All this while we wandered calmly through the streets of the neighborhood, under the curious eyes of the people who live there. After all, this is not a place visited by tourists.

We ended our peculiar visit having coffee sitting on the ground next to a mosque. And once again, the coffee was a welcome offer. As always, the Lebanese being Lebanese!

Must-Have Confectionery

To sum up:

As I mentioned at the beginning of the article, Tripoli surprised me in a positive way. It is not a touristy city, nor is it geared to receive travelers, but it has an extraordinary potential, a rich history, and hospitable people, who deserve to be visited.

Don’t let yourself be influenced by what you hear on the news.

Tripoli, not being an “easy city”, is phenomenal!


PT

Trípoli é o exemplo perfeito de que nem sempre o que ouvimos, é aquilo com que nos deparamos. Quando fui para Trípoli tinha a ideia preconcebida, formada pelas notícias da imprensa internacional, de que seria uma cidade bastante pobre, onde os seus habitantes não gostavam de receber estrangeiros e que seria um destino algo perigoso.

Não podia estar mais enganada!

Trípoli foi, sem dúvida, a cidade que mais me surpreendeu e fascinou, na viagem ao Líbano com a 100 Rota, por ser tão genuína.

Sendo a maior cidade do Norte do país e a segunda maior do Líbano, Trípoli desenvolve-se ao longo da costa do Mediterrâneo e inclui no seu território um conjunto de ilhas, uma das quais classificada como área protegida pela UNESCO.

Diz-se que enquanto cidade foi fundada pelos Fenícios, e tendo passado por diversas invasões, tem uma história riquíssima e também turbulenta.

A Trípoli moderna, que tem uma população de cerca de 500,000 habitantes, está dividida em duas partes: El-Mina (a zona portuária e local da cidade antiga) e a cidade de Trípoli propriamente dita.

Se a cidade medieval, ao pé do castelo dos Cruzados, é onde podemos encontrar a maioria dos locais históricos e apreciar a vista monumental sobre a cidade, é em redor desta que se desenvolve uma metrópole moderna que oferece todo o tipo de comércio e serviços, com restaurantes que estão ao nível de qualquer cidade europeia.

A área conhecida como “at-Tall”, dominada por uma torre de relógio otomano (construída em 1901/2) no coração do centro de Trípoli, é onde podemos encontrar o centro de transportes e terminal da maioria das rotas de táxi.

Os antigos souq no centro da cidade são absolutamente fascinantes, não só pela sua arquitetura, mas também por todo o rebuliço que ali acontece. As pessoas receberam-nos com sorrisos rasgados e uma simpatia imensa.

Al Mina, a zona portuária, é um bom local para encontrar restaurantes de pescado e frutos do mar e também mercados de peixe.

Vamos então falar de locais a visitar em Trípoli e da experiência que por lá tivemos:

Os antigos souks

São, sem dúvida, os lugares mais vibrantes da cidade. Lá encontra-se de tudo o que se pode imaginar, desde produtos hortícolas, a peixe, carne, ouro, roupa e sabonetes tradicionais.

É o lugar onde os sorrisos são rasgados e a curiosidade em saber de onde chegam os viajantes se manifesta abertamente.

É também o lugar onde não conseguimos dizer “não” às ofertas que se acumulam, de chá a pão. Os libaneses têm gosto em receber e fazem questão de oferecer a quem os visita um pouco da sua cultura, que passa incontornavelmente pela comida.

Gato no souk

Foi num beco de um dos souks de Trípoli que, debaixo de um sol abrasador, enquanto distribuíamos a água que tínhamos por todos, que de uma janela ouvimos chamar.

Era uma senhora de idade bastante avançada que nos queria oferecer água fresca.

Pediu-nos para esperar e pouco depois, por um cesto preso com uma corda, fez descer a garrafa de água gelada e uns copos de plástico. Escusado será dizer que recusou dinheiro em troca da água, apenas pediu para não ser fotografada.

Já noutro souk, enquanto fotografava uma banca de venda de pão, fui abordada pelo proprietário da mesma. Sem falarmos uma palavra na mesma língua, pediu-me para o fotografar junto à sua banca. Era visível o orgulho que tinha no seu negócio.

Depois de o fotografar mostrei-lhe o retrato. Resultado? Ofereceu-me um pão!

Vendedor de pão

Os libaneses são assim, dão de coração, sem querer nada em troca.

O Castelo de Trípoli

Do Castelo de Trípoli avista-se a cidade inteira. Como qualquer edificação deste género, foi erigida no ponto mais elevado da cidade.

O Castelo foi construído em 1102-1103 no topo de um cemitério xiita do período Fatimi com um mausoléu octogonal. A construção do castelo foi iniciada pelo Cruzado Raymond VI de Saint Gilles.

Em 1516, a Síria e o Egipto caíram para o Sultão Otomano Selim I. O seu filho e sucessor Suleiman I, com o cognome “o Magnífico” (1520-1566), pouco depois do empossamento fez uma visita às suas terras recém-conquistadas.

Reuniu então em Damasco com todos os seus governadores provinciais e nesta ocasião tomou a decisão de reconstruir a grande cidadela de Trípoli.

Nos anos que se seguiram, vários governadores otomanos de Trípoli fizeram trabalhos de restauração da cidadela para satisfazer as suas necessidades.

No início do século XIX, a cidadela foi amplamente restaurada pelo governador otomano de Trípoli Mustafa Agha Barbar.

Muito pouco da estrutura original mandada erigir pelo Cruzado sobreviveu até aos dias de hoje. Os túmulos de vários cavaleiros francos sem nome, aqui e ali, são atualmente as únicas provas evocativas da sua presença nas alturas da “Montanha do Peregrino” de Trípoli, há muitos séculos atrás.

Não deixem de visitar o Castelo e deliciem-se com as vistas fabulosas sobre a cidade.

Créditos: João Sousa – 100Rota

Feira Internacional Rachid Karami 

Trípoli tem um recinto de feira permanente concebido pelo famoso arquiteto brasileiro, Óscar Niemeyer. Aqui realizam-se regularmente importantes exposições, feiras comerciais e outros eventos.

A grande maioria do espaço não chegou a ser concluído devido ao início da guerra civil no País, fazendo com que o mesmo esteja em parte ao abandono.

Ainda assim, é absolutamente indispensável a visita a este espaço para contemplar as obras inacabadas de um dos arquitetos mais geniais da era contemporânea, antes que o mesmo se torne apenas numa memória do que poderia ter sido um local auspicioso.

Créditos: Francisco Agostinho – 100Rota

El-Mina

El-Mina é a zona à beira mar, com áreas pedonais que permitem desfrutar da cidade antiga. É desta zona portuária que partem os barcos de recreio para visitar o conjunto de ilhas ao largo de Trípoli.

A Palm Islands Nature Reserve, ou Ilha dos Coelhos, é a maior delas com uma área de 20 hectares. O nome “Araneb” ou Coelhos, vem do grande número de coelhos que ali foram criados durante a ocupação francesa, no início do século XX.

Atualmente, é uma reserva natural para tartarugas verdes, pássaros raros e coelhos. Declarada área protegida pela UNESCO em 1992, nela é proibido acampar, fazer fogueiras ou outras formas de devastação ambiental. Além da sua paisagem cénica, a Palm Island também é património cultural.

Créditos: Inês Jorge

Tabbaneh

Tabbaneh tem uma história pesada de conflitos entre grupos rivais. Conforme descrito pela ONU no relatório de 2018, “Tabbaneh é um bairro predominantemente residencial no Leste de Trípoli, nas margens orientais do rio Abu Ali.

É um bairro de baixos rendimentos e desfavorecido, exibindo uma relativa fragilidade em termos de tensões historicamente enraizadas que afetam a situação de segurança, fraca prestação de serviços públicos sociais e urbanos básicos, e oportunidades limitadas de subsistência.

Cobrindo uma área de 0,42 km2, acomoda 20.449 pessoas, a grande maioria (82,9 por cento) das quais são libanesas. Dos restantes 17,1%, a maioria (15,3% do total de residentes) são sírios, enquanto 0,5% são refugiados palestinianos da Síria.

Uma amostra de inquérito às famílias sugere que, das famílias não libanesas, 78,3% chegaram ao Líbano entre 2011 e 2017, sugerindo até que ponto a crise dos refugiados sírios, que começou em 2011, impulsionou as recentes mudanças demográficas.”

Não obstante os relatórios de entidades oficiais e aquilo que vemos nas notícias, fomos visitar o bairro, já que estávamos acompanhados do nosso líder de viagem, João Sousa, conhecedor da realidade local.

O objetivo principal seria ver a arte urbana que se espalha pelas paredes do bairro. No entanto, tivemos uma surpresa que ultrapassou tudo o que poderíamos ter imaginado daquele local.

Fomos recebidos de braços abertos pelos moradores do bairro. Abriram-se portas de prédios para que fossemos aos terraços apreciar a vista da cidade. Tiraram-se fotos de grupo e fizeram-se brindes.

Foi-nos dada uma explicação personalizada sobre as cicatrizes de guerra visíveis nas paredes, provocadas pelos conflitos. Tudo isto enquanto deambulávamos calmamente pelas ruas do bairro, sob o olhar curioso de quem lá vive. Afinal de contas, aquele não é um local visitado por turistas.

Terminámos a peculiar visita a tomar café sentados no chão ao lado de uma mesquita. E mais uma vez, o café foi uma oferta de boas-vindas. Como sempre, os libaneses a serem libaneses!

Doçaria incontornável

Resumindo:

Como referi no início do artigo, Trípoli surpreendeu-me pela positiva. Não sendo uma cidade turística, nem vocacionada para receber viajantes, tem um potencial extraordinário, uma história riquíssima e gente hospitaleira, que merece ser visitada.

Não se deixem influenciar pelo que ouvem nas notícias.

Trípoli, não sendo uma “cidade fácil”, é fenomenal!

Clica na imagem para obter 5% de desconto em qualquer Seguro de Viagem IATI

Aviso: Utilizo links de afiliação, o que significa que se comprarem algo através dos meus links de afiliação, recebo comissão sem custos adicionais para vocês! Os meus pontos de vista e opiniões nunca são influenciados por isso! Apenas recomendo produtos e serviços que utilizo! Leiam a minha divulgação para mais informações.

8 thoughts on “Trípoli – What you hear is (NOT) what you get”

  1. Tripoli is one of those cities I really need to visit! This is amazing! All the info will be sure to help me on any upcoming trip and what a beautiful trip that will be! Amazing article!

  2. Greeting from Tripoli that lives inside my skin, in my heart , while being so far away,,,, thank you for your compassion, genuine care and looking through a mirror glass instead of regular news…

Leave a Reply

%d bloggers like this: