Site icon

Jordan – 12 Days Road Tripping The Kingdom of Smiles

ENG

There is a kingdom as old as history itself. A land that has been part of our imagination since we were children. A kingdom where all roads lead to places of endless beauty.

Here history is palpable in every monument, and hospitality is tangible in the smiles of the people.

Disclaimer: I use affiliate links here, which means that if you buy something through my affiliate links, I receive commission at no additional cost to you! My views and opinions are never influenced by that! I only recommend products and services that I use! Read my disclosure for more information.

It is not easy to describe a country with such greatness. A country that has brought the world within its borders, with its mastery of trade and generosity to those who come to visit.

Amman

I honestly did not have high expectations about the Jordanian capital. What I had always heard was that it would be an uninteresting city with little to see.

View from the Citadel – Credits: 100Rota

And didn’t Amman manage to surprise me? You can’t say that it is an easy city to digest. It is large, labyrinthine, with a multitude of staircases and an insane urban mesh. But it is definitely worth a visit, not only for the historical legacy, but also to enjoy the city itself.

The capital of Jordan is much more than the Citadel and the Roman Theater. These are unquestionably places to visit in the capital. But in parallel, there is an Amman that vibrates after the sun goes down. If during the day the streets are somewhat devoid of the movement you would expect from a city, it is in the late afternoon that the city comes alive.

This is where public space comes to live. From the gardens to the squares, we can find the inhabitants of Amman socializing, be it in a friendly chat, playing ball, riding a bike or rollerblading. Despite being the capital of the country, you can feel the sense of community.

The walls of the city have authentic works of urban art. There are many murals that we can find and that portray a little bit of everything. From mundane life, to Arab poetry, to more controversial issues, to environmental problems.

Amman is diversity, perhaps the result of a history that has brought (and still brings) people from all over the world here. The fact is that the capital of Jordan knows how to welcome with open arms those who come to visit.

As-Salt

Recently classified as a UNESCO heritage site, As-Salt is located north of the Jordanian capital.

Enjoying the outdoors in As-Salt

Between the end of the 19th century and the beginning of the 20th century, it was the capital of Transjordan and an important commercial center on the route of merchants coming from Lebanon and Syria. The peculiar architecture, with its mixture of colonial-era and traditional features, makes the city a must-see for those who want to have a more authentic experience just walking through the streets of the city.

As-Salt is known as the city of tolerance and hospitality, and you can feel it in every contact with the locals. Everywhere there are broad smiles to welcome those who arrive.

There is an invitation to visit, to have coffee and two fingers of conversation. We are asked to sit down and learn traditional games. One might think that the kindness in receiving foreigners is due to the fact that it is a recent tourist spot, but no. Here the hospitality is genuine and reflects the culture of a people.

Authenticity is the word that best describes this small town and its inhabitants.

Jerash

The extraordinary Roman city of Jerash is situated north of the capital and, after Petra, is probably the most visited archaeological site in Jordan.

Jerash Theater – Credits: Teresa Couceiro

Walking around Jerash is like walking through an open-air museum. From the monumental entrance with its great arch, to the oval square surrounded by columns (unique in the world), to the Cardo (main axis of the city), to the numerous temples, everything is worthy of contemplation. The good state of conservation of the archaeological complex is absolutely exceptional.

Allow a good three hours to calmly tour the entire site and be sure to test the acoustics of the theater. Just find the mark on the floor and then, shame aside, sing your heart out!

North of Ajlun

The city of Ajlun is located in the mountainous northern part of the country. The whole area is surprisingly green, to the amazement of anyone who thinks Jordan is just a desert.

Inside Ajloun Castle – Credits: 100Rota

Ajloun Castle (Qal’at Ar-Rabad) makes an imposing mark on the landscape. Built to protect the territory from Crusader attacks, today it is an important tourist attraction.

Despite the two earthquakes that destroyed much of the castle, it is possible to access several rooms of the castle, thanks to heritage restoration programs carried out by the Jordanian state. The views from the top of the fortified building are superb, so it is worth exploring every nook and cranny.

But the Ajlun area does not end with a visit to the Castle. We continued a little further north and took a short stretch of the Jordan Trail, recently inaugurated by the King of Jordan.

Through orchards, to the sound of the herds, while eating fruit directly from the tree and enjoying the sunset, we walked through fields with 2,000 year old olive trees and had the opportunity to see a Jordan beyond what comes in the common tours.

Madaba

The small town of Madaba became an important center of Christianity starting in the 4th century, and to this day is the Jordanian city with the largest number of Christians and their places of worship.

Map of The Holy Land

It is especially known for its Byzantine and Umayyad mosaics, notably the Map of the Holy Land, which covers much of the floor of St. George’s Church. The map has the geographical representation of the area of Lebanon (north), the Nile delta (south), the Mediterranean Sea (west) and the Arabian desert. It served primarily to guide pilgrims on their forays into the Holy Land.

The historical value of the work is absolutely extraordinary, not only for the work itself, but also because it is the oldest known geographic map/mosaic in the history of art.

But Madaba is not only the “city of mosaics” that acts as a kneecap between the capital and the Dead Sea. You can find very nice spaces around the city, including a family bookstore, where books meet tea and cats, making the outdoor space the perfect place to enjoy a few hours of leisure.

Dead Sea

The Dead Sea, which is actually a lake fed by the Jordan River, is the lowest point on the planet, standing approximately 400 meters below the water level of the Mediterranean, and for this reason alone it is worth the visit.

Enjoy the Dead Sea – Credits: Teresa Nascimento

It is also one of the places where the saline concentration of the water is highest, containing about 10 times more salt than the oceans, and as such provides a unique experience, that is, floating without any kind of effort.

The medicinal properties of the Dead Sea, as well as of its mud, are well known. It is a must to go bathing in the waters of the Dead Sea and muddy your body with the black mud.

It´s expected that the Dead Sea will disappear in the next 50 years.

Dana Biosphere Reserve

Dana Biosphere Reserve is the largest nature reserve in Jordan. Classified by Unesco, it has a surface area of approximately 300 km2 and includes mountains, valleys, gorges, and desert.

The view to Wadi Dana from one of the trails – Credits: 100Rota

With enormous biodiversity and breathtaking scenery, it is possible to hike several trails, one of which leads to Petra.

Enjoying nature by hiking the trails and having tea while watching the sunset are unforgettable experiences you can have in Dana.

Petra

The city lost in time exerts a fascination on all of us. Whether it’s the way it was built, or the possibility to explore the place, this place wakes up the sleeping Indiana Jones in all of us.

The Monastary

Wadi Rum
Wadi Rum – Credits: Ana Santos

Adjectives are lacking for this magical place. Anyone who is a desert fan will be enchanted by Wadi Rum, also known as the Valley of the Moon.

From prehistoric occupation to Lawrence of the Arabia, many have passed through there and fallen in love with the orange sands and rock formations of this unique place on the planet.

Watching caravans of Bedouins on their dromedaries pass by on the horizon, climbing giant dunes, having lunch in the shadow of a rock sculpted by wind and time, watching the sunset and the sunrise, enjoying the silence, are experiences that no one will forget after visiting Wadi Rum.

Jordan is an amazing country for its history, cultural diversity, landscapes, and particularly for the hospitality of its people. Don’t miss it!


PT

Há um reino tão antigo como a própria história. Uma terra que faz parte da nossa imaginação desde crianças. Um reino onde todos os caminhos levam a lugares de beleza sem fim.

Aqui a história é palpável em cada monumento, e a hospitalidade é tangível nos sorrisos do povo.

Não é fácil descrever um país com tanta grandiosidade. Um país que trouxe o mundo para dentro das suas fronteiras, com a sua mestria no comércio e generosidade para com aqueles que vêm de visita.

Petra pode ser o cartão postal do país. Mas quando se leva algum tempo a conhecer a Jordânia, percebe-se que ela é uma maravilha em si mesma. Mal sabia eu que me apaixonaria no final da viagem … não só pela cidade perdida no tempo.

Amman

Honestamente não tinha grandes expectativas relativamente à capital Jordana. Aquilo que sempre tinha ouvido dizer é que seria uma cidade pouco interessante, com pouco para ver.

Vista da cidade a partir da Cidadela – Créditos: 100Rota

E não é que Amman conseguiu surpreender-me? Não se pode dizer que seja uma cidade fácil de digerir. É grande, labiríntica, com uma infinidade de escadarias e uma malha urbana de bradar aos céus. Mas sem dúvida que vale a pena visitá-la, não só pelo legado histórico, mas também para desfrutar da cidade propriamente dita.

A capital da Jordânia é muito mais que a Cidadela e o Teatro Romano. Estes são, inquestionavelmente, pontos a visitar na capital. Mas, paralelamente, há uma Amman que vibra depois do sol se por. Se durante o dia as ruas estão meio desprovidas do movimento que se espera de uma urbe, é ao final da tarde que a cidade ganha vida. Por aqui vive-se o espaço público. Dos jardins às praças, podemos encontrar os habitantes de Amman a confraternizar, seja em amena cavaqueira, a jogar à bola, a andar de bicicleta ou de patins. Apesar de ser a capital do país, sente-se o sentido de comunidade.

As paredes da cidade têm autênticas obras de arte urbana. São imensos os murais que podemos encontrar e que retratam de tudo um pouco. Desde a vida mundana, à poesia árabe, a assuntos mais polémicos, às problemáticas ambientais.

Amman é diversidade, talvez fruto de uma história que fez (e ainda faz) passar por aqui gente de todas as partes do mundo. Facto é que a capital da Jordânia sabe receber de braços abertos quem vem de visita.

As-Salt

Recentemente classificada como património da Unesco, As-Salt fica situada a norte da capital Jordana.

Convívio nas praças de As-Salt

Entre o final do seculo XIX e o início do seculo XX, foi a capital da Transjordânia e um importante centro comercial na rota dos mercadores que vinham do Líbano e da Síria. A arquitetura peculiar, com a mistura da era colonial e dos traços tradicionais, torna a cidade num ponto de visita incontornável para quem pretende ter uma experiência mais autêntica apenas calcorreando as ruas da cidade.

As-Salt é conhecida como a cidade da tolerância e hospitalidade, e isso sente-se em cada contacto com os locais. Por todo o lado há sorrisos rasgados para receber quem chega. Há o convite a visitar, a tomar café e a dar 2 dedos de conversa.

Pedem-nos que nos sentemos para aprender jogos tradicionais. Poder-se-ia julgar que a amabilidade em receber estrangeiros se deve a ser um ponto turístico recente, mas não. Aqui a hospitalidade é genuína e reflete a cultura de um povo.

Autenticidade, é a palavra que melhor descreve esta pequena-grande cidade e os seus habitantes.

Jerash

A extraordinária cidade romana de Jerash fica situada a norte da capital e, depois de Petra, é provavelmente, o sítio arqueológico mais visitado na Jordânia.

Teatro de Jerash – Créditos: Teresa Couceiro

Andar por Jerash é como caminhar dentro de um museu a céu aberto. Desde a entrada monumental com o seu grande arco, à praça oval rodeada de colunas (única no mundo), ao Cardo (eixo principal da cidade), aos inúmeros templos, tudo é digno de contemplação. O bom estado de conservação do complexo arqueológico é absolutamente excecional.

Façam conta com umas boas 3 horas para percorrer calmamente todo o recinto e não deixem de testar a acústica do teatro. Basta encontrarem a marca no chão e depois, deixando a vergonha de lado, cantarem o que vos vai na alma!

A norte de Ajlun

Ajlun fica na zona montanhosa do norte do país. Toda a área é surpreendentemente verdejante, para espanto de quem julga que a Jordânia é apenas um deserto.

Interior do Castelo de Ajloun – Créditos: 100Rota

O Castelo de Ajloun (Qal’at Ar-Rabad) marca a paisagem de forma imponente. Construído para proteger o território dos ataques dos Cruzados, nos dias de hoje é um importante ponto de visita. Não obstante os 2 terramotos que destruíram grande parte do Castelo, é possível ter acesso a várias salas do mesmo, graças aos programas de recuperação do património, levados a cabo pelo estado Jordano. Do topo da construção fortificada as vistas são soberbas, pelo que vale a pela explorar cada recanto.

Mas a zona de Ajlun não se esgota na visita ao Castelo. Continuámos um pouco mais para norte e fizemos um pequeno troço do Jordan Trail, recentemente inaugurado pelo Rei da Jordânia.

Por entre pomares, ao som dos rebanhos, enquanto comíamos fruta diretamente da árvore e apreciávamos o por-do-sol, caminhámos por campos com oliveiras com 2.000 anos e tivemos oportunidade de ver uma Jordânia para além do que vem nos roteiros comuns.

Madaba

A pequena cidade de Madaba tornou-se um importante centro do Cristianismo a partir do século IV, e até aos dias de hoje é a cidade jordana com maior número de Cristãos e seus locais de culto.

Mapa/Mosaico da Terra Santa

Conhecida especialmente pelos seus mosaicos bizantinos e omíadas, nomeadamente pelo Mapa da Terra Santa, que cobre grande parte do chão da Igreja de São Jorge. O mapa tem a representação geográfica da área do Líbano (norte), do delta do Nilo (sul), do Mar Mediterrâneo (oeste) e o deserto árabe. Servia essencialmente para orientar os peregrinos nas suas incursões pela Terra Santa.

O valor histórico da obra é absolutamente extraordinário, não só pelo trabalho em si, mas também por ser o mapa/mosaico geográfico mais antigo conhecido na história da arte.

Mas Madaba não é apenas a “cidade dos mosaicos” que faz de rótula entre a capital e o Mar Morto. É possível encontrar espaços muito agradáveis pela cidade, nomeadamente uma livraria familiar, onde os livros se cruzam com chá e gatos, fazendo do espaço exterior o lugar perfeito para desfrutar de umas horas de lazer.

Mar Morto

O Mar Morto, que a bem da verdade é um lago alimentado pelo Rio Jordão, é o ponto mais baixo do planeta, ficando a aproximadamente 400 metros abaixo do nível das águas do Mediterrâneo, e só por isso vale a pena a visita.

Mar Morto – Créditos: Teresa Nascimento

É também um dos lugares onde a concentração salina da água é maior, contendo cerca de 10 vezes mais sal do que os oceanos e, como tal, proporciona uma experiência única, isto é, flutuar sem qualquer tipo de esforço.

As propriedades medicinais do Mar Morto, assim como das suas lamas, são sobejamente conhecidas. É uma experiência incontornável ir banhar-se nas águas do Mar Morto e barrar o corpo com a lama preta.

É espectável que o Mar Morto desapareça nos próximos 50 anos.

Reserva da Biosfera de Dana

A Reserva da Biosfera de Dana é a maior reserva natural da Jordânia. Classificada pela Unesco, tem uma superfície aproximada de 300 km2 e inclui montanhas, vales, desfiladeiros e deserto.

Vista para o Wadi Dana a partir de um dos trilhos – Créditos: 100Rota

Com uma biodiversidade enorme e paisagens de cortar a respiração, é possível percorrer vários trilhos, sendo que um deles leva até Petra.

Desfrutar da natureza caminhando pelos trilhos e tomar um chá a apreciar o por-do-sol, são experiências absolutamente inesquecíveis que podem fazer em Dana.

Petra

A cidade perdida no tempo exerce um fascínio sobre todos nós. Quer seja pela forma como foi construída, quer pela possibilidade de explorar o local, este lugar acorda em todos nós o Indiana Jones adormecido.

O Mosteiro

É imprescindível passar pelo menos 2 dias em Petra para explorar decentemente todo o complexo. As caminhadas são exigentes e fazer tudo a correr não permite usufruir da essência de uma obra tão extraordinária.

Não deixem de fazer os trilhos, já que visitar apenas o Tesouro é bastante redutor. Não é à toa que Petra é o cartão postal da Jordânia e também uma das 7 Maravilhas do Mundo, classificada pela Unesco.

Wadi Rum
Wadi Rum – Créditos: Ana Santos

Faltam adjetivos para este lugar mágico. Quem é fã do deserto fica encantado com o Wadi Rum, também conhecido por Vale da Lua.

Desde a ocupação pré-histórica até ao Lourenço das Arábias, muitos foram os que por ali passaram e se deixaram apaixonar pelas areias e formações rochosas deste lugar único no planeta.

Ver as caravanas de beduínos montados nos seus dromedários passarem no horizonte, subir dunas gigantes, almoçar à sombra de uma rocha esculpida pelo vento e pelo tempo, ver o por-do-sol e o nascer do dia, desfrutar do silêncio, são experiências que ninguém esquecerá depois de visitar o Wadi Rum.

A Jordânia é um país surpreendente pela sua história, diversidade cultural, paisagens e, destaca-se particularmente, pela hospitalidade do seu povo. Não deixem de visitar!

5% de desconto para leitores do blog

Aviso: Utilizo links de afiliação, o que significa que se comprarem algo através dos meus links de afiliação, recebo comissão sem custos adicionais para vocês! Os meus pontos de vista e opiniões nunca são influenciados por isso! Apenas recomendo produtos e serviços que utilizo! Leiam a minha divulgação para mais informações.

Exit mobile version