Site icon

25 Amazing Things to See in Northern Pakistan

ENG

Have you ever wondered about 25 amazing things to see in Northern Pakistan?

Pakistan is undeniably a destination of excellence that is starting to assert itself on the international tourism scene. Unquestionably, there are many more points of interest to visit, and condensing everything into just 25 is not easy, can be unfair and also reductive.

However, I made an overview of what caught my attention the most on the trip I made with 100Rota, and in this post we will talk about 25 things that you can not miss.

Disclaimer: I use affiliate links here, which means that if you buy something through my affiliate links, I receive commission at no additional cost to you! My views and opinions are never influenced by that! I only recommend products and services that I use! Read my disclosure for more information.

Pakistan Zindabad – Wagah ceremony

For those who only see what the news broadcasts, it is hard to imagine that there is such a place as North Pakistan… in Pakistan. Those unfamiliar with what this country has to offer often wonder what drives someone to travel there.

Imagine a land with monumental mountain peaks, turquoise lakes, idyllic plains, and small villages hidden in the valleys.

Imagine a place where nature is so majestic that it leaves you speechless every day, at every bend in the road.

Now add to this picture traditional architecture, extraordinary monuments and mosques that are authentic works of art.

Finally, add a unique cultural diversity, full of tradition, and absolutely phenomenal people.

This is Northern Pakistan!

During the 3 weeks I spent in the region, I had the opportunity to be dazzled by different types of landscape and to experience the experiences of the people who live there.

It is such a diverse territory that it becomes difficult to choose the most spectacular things to see. Anyhow, let’s do it!

Lahore

The surprising Lahore that combines history with modernity, in a metropolis with its very own identity. Lahore manages to maintain the excellence of a cultural city and be elegant in the midst of its organized chaos.

It is, admittedly, the cultural capital of the country and does not disappoint the expectations of those who visit.

From the mosques to the bazaars, from the peace of the gardens to the buzz of the old town, Lahore has it all and convinces those who visit to stay a few days to explore it.

Badshahi Mosque

Mosque’s main facade
Credits: Francisco Agostinho

A symbol of the Mughal Empire (1526-1857), built in 1671, the Badshahi Mosque is the crown jewel of Lahore, and one of the most beautiful places of prayer in Pakistan.

Its architecture is characterized by its reddish color, with carved details typical of the era of construction.

The huge courtyard of the mosque can hold up to 100,000 pilgrims, making it the second largest mosque in Pakistan.

It is arguably one of the most impactful places of prayer in the country, and it is worth spending a good bit of time there contemplating its details.

Undoubtedly, it is one of the most beautiful buildings we had the opportunity to visit. And it is not easy to have this status, since the North of Pakistan is full of fabulous buildings.

There, besides the faith and the architectural monumentality, which goes hand in hand with the delicacy of the place, you may breathe peace and tranquility.

Opening hours: every day from 8am – 8pm

Lahore Fort

Mirror Palace inside the Fort
Credits: José Nepomuceno

Right in front of the Badshahi Mosque, in the northwestern part of the Walled City of Lahore, is the historic and imposing Fort, a must-visit monument.

In the 11th century, this construction started as a simple fortification made of adobe bricks, and during the next 500 years it was destroyed and rebuilt several times, during which time the Mongols, Timur and Pashtuns invaded the region.

The fort complex is huge, and one of the highlights to see is the stunning Sheesh Mahal, ‘The Palace of Mirrors’. Built in 1631 by Shah Jahan, its interior is decorated with countless reflecting glass tiles.

The detail of the work of the ‘mirrors’ embedded in the stone is wonderful and, although showing signs of decay, the place is unique.

The Fort has been a UNESCO World Heritage Site since 1981.

View of the Badshahi Mosque from the Fort
Credits: Francisco Agostinho

The cherry on top, is the view you get of the Badshahi Mosque from the Fort.

Opening hours: every day from 8am – 7pm

Jahangir’s Tomb

Another of the most notable historical sites, a must-visit, is the Tomb of Jahangir.

It is a mausoleum built for Jahangir, one of the most important emperors of the Mughal Empire, who ruled from 1605 to 1627. The construction of the tomb is said to have been completed in the year 1637.

The architecture of this place features some mosaics made with semi-precious stones. This tomb is of extraordinary importance, as it is the only Mughal tomb remaining in Pakistan!

Inside the complex, you will also find a large garden where the locals socialize and enjoy the space with their families.

Opening hours: every day from 8am – 7pm

Shalimar Gardens

Pond in the garden
Credits: Francisco Agostinho

The Shalimar gardens are also known as “the lost paradise”.

This garden complex dates back to the Mughal era and was completed in 1642 under the rule of Emperor Shah Jahan (one of Emperor Jahangir’s sons). This name is probably not strange to you, he was the same emperor responsible for the construction of the Taj Mahal.

The elaborate patterns and attention to detail, can be seen in each of the structures present in the complex.

They are the perfect place for a relaxing walk on hot days. In fact, you will find many locals enjoying the space and socializing with friends and family.

The complex also has a large lake, which gives the place a cool and very pleasant atmosphere.

Opening hours: 8am – 6pm

Delhi Gate Bazaar

Secondary street inside the bazaar

The Walled City of Lahore (also known as the Old City) used to have 13 gates that allowed entry to the urban center.

When the British conquered the region, almost all of these entrances were destroyed. Six gates have since been rebuilt, the Delhi Gate being one of them.

Today, there is a bustling market inside this gate, in which you can feel the pulse of daily life!

The smells, the colors, the noises, stimulate the senses of those who visit this place. The faint light that mixes with the dust in the air, gives the market a peculiar atmosphere.

It is a great place to meet the locals, socialize with them, and get a glimpse of the mundane life in Lahore.

Wander the alleys, take in the scents, and enjoy the warmth of the people, who will welcome you with broad smiles.

Contrary to what happens in many bazaars around the world, here nobody will push anything on you, nobody will insist that you buy anything.

All the approaches you will have are of curiosity and a demonstration of joy at seeing you there.

Wazir Khan Mosque

Mosque prayer chamber

From the market at the Delhi Gate, you can see a yellow minaret. If you walk up to it, you will reach the Wazir Khan Mosque.

Go inside and be dazzled by this spectacular architectural work, enjoy the peace and enjoy the energy you feel in this unique and special place.

It’s amazing how in the middle of a market full of life and bustle, you can feel such serenity.

This mosque was built between 1634 and 1641 by Emperor Shah Jahan, and its stunning ornate tiles will capture your attention as you approach the outer courtyard from the gate.

From the moment you enter, the view becomes even more superb. All the interior surfaces of the mosque, including its ceilings and arches, are covered with beautifully patterned frescoes.

Next to the entrance of the mosque you will find the Calligraphers Bazaar, which crosses the axis of the entrance at a right angle, and is marked at this intersection with a large balcony with a dome on top.

Renowned Khattats (master calligraphers) have reproduced verses from the Qur’an and Persian poetry in elegant Nastaliq, Naskh scripts and Tughra forms within elaborate outlines and geometric and floral shapes.

Hopper – Glacier

View of the glacier from the main viewpoint

We were told that it is the oldest glacier in Pakistan. It is also known as Bualtar. And we can find it in an inhospitable setting, cradled by mountain peaks.

It is considered a medium-sized glacier, although it is 18 km long, and its course runs along the northern slopes of the Karakoram in the Nagar district.

Although not considered large, Hoper is the 34th largest glacier in the world.

I don’t know if you have ever had the opportunity to see a glacier and be right next to it, but it is such a unique sensation that it becomes almost indescribable.

We are small next to the immensity of nature and this ice giant, with its peculiar black color, which makes it so distinctive from other glaciers, doesn’t let us forget that.

And when it comes to glaciers, this Hoper region is a privileged one. Besides Hoper, there are two more: Barpu and Mier.

For those who love this type of landscape, it is like reaching “glacier heaven”.

Take advantage of the resting points along the footpath that leads to the main viewpoint, to stop and enjoy the landscape and the tranquility of the place.

Wagah Ceremony

Moment of the ceremony

I had already seen the ceremony on YouTube videos, I had also read a lot about it, but nothing, absolutely nothing, prepares us for what we are going to see live.

A few kilometers from Lahore, Pakistan and India share one of the most militarized borders in the world.

The result of a history that has not always been peaceful, the division between the two countries, which were once one, has given rise to a peculiar ceremony.

The village of Wagha lies on a controversial border. Its eastern half remains in India, while its western half is in Pakistan, split in half by the British in 1947.

Wagah remains the only road border crossing between India and Pakistan, although vehicles and people are not allowed free passage.

Every sunset since the partition took place, the crossing between the two countries has been staged in the Wagah flag ceremony. It is a spectacle not to be missed.

Every late afternoon, the Indian and Pakistani military, come out to the cheers of thousands of spectators, who are divided between the stands of the 2 countries.

While one side shouts “Pakistan Zindabad” or “Long Live Pakistan”, the other side shouts “Jai Hind” or “Long Live India”.

It is impressive to see so many people shouting and cheering for their nation. A relatively new nation, but with a thousand-year history.

The energy is so intense that, whether you like it or not, you find yourself shouting too. The next thing I knew, I was shouting with them, as if I had been Pakistani since I was a little girl!

At the end of the ceremony, there is the brief symbolic handshake and the flags are unveiled simultaneously. Finally, the gates are closed.

It is guaranteed to be a unique experience.

Hunza Valley

If your curiosity has ever led you to research Pakistan, you have surely found images of Hunza. This is one of the most touristy regions of the country.

Although the region is known by the name “Hunza Valley”, it is much wider than the valley its name refers to.

It was here, in the Karimabad area, that the mythical Silk Road used to pass through.

And if there is one thing that arouses the imagination and curiosity of travelers, it is this route that has seen caravans of merchants and pilgrims pass through for thousands of years of history.

Karimabad is located at a strategic point on the road through the Karakoram. It is tucked in by the mountain peaks that surround it and is washed by the river that flows through the valley.

Karimabad probably still retains some similarities from the times when it was an important stop along the millennial Route.

Perhaps this is what has made it a tourist attraction in this region of Northern Pakistan. That and the breathtaking scenery in which it is located.

Passu Cones

Passu Cones from Karakoram Highway

I am a suspect to talk about one of the most extraordinary landscapes I have ever seen in all my trips around the world.

I carried in my memory the iconic images that I saw over the years on the internet and had the dream of seeing this place with my own eyes.

The “Passu Cathedral” is a masterpiece of nature and a landmark in the landscape. No one is indifferent to it.

Being there is a mixture of “I’m on a movie set”, with “don’t wake me up because I’m dreaming”.

If nature wrote poetry, some of its verses would talk about this epic place. The view is so overwhelming that we lack the words when our eyes see it.

Hussaini Bridge

View of the bridge with the Passu Cones as background

It has the title of the longest suspension bridge in the world and also has a reputation of being the most dangerous of all suspension bridges.

The sequence of planks that make it up challenges the most adventurous to cross the structure and intimidates the most fearful, like me!

I confess that I lacked the courage to get past the first 2 planks. Seeing the locals lightly crossing the bridge made me think that, in fact, necessity makes human beings adapt to circumstances and relativize danger.

Attabad Lake

Credits: Usman Ghani

Its dazzling turquoise blue waters make it one of the most beautiful places in Pakistan.

Lake Attabad was born out of a natural calamity, when a major landslide occurred in 2010. The flow of the Hunza River was blocked, and the now famous lake was created in its course.

Over time, the lake has become a tourist attraction and it is there that you can enjoy recreational activities, such as taking a beautiful boat ride through the water mirror.

Eagle’s Nest

Sunset from the Eagle’s Nest viewpoint. Below, Hunza Valley

The Eagle’s Nest is one of the highlights from where you can see one of the most epic sunsets in the Hunza region.

Views are absolutely overwhelming and breathtaking. The feeling you will get, is almost as if you are flying over the Hunza valley.

Don’t let the name fool you, because there are effectively no eagle nests there.

The name comes from a rock formation, which is said to resemble an eagle’s nest… a questionable fact, but what counts is the view!

Baltit Fort

With its privileged location, the Baltit Fort gives you a superb view of the Hunza Valley.

Perhaps this is why, for 800 years, it has served as a strategic point for the protection and defense of the area.

Its unique architecture makes the Fort a place of interest to visit. Both the exterior and the interior are of an extraordinary singularity.

Wander around the building exploring every nook and cranny and let yourself be conquered by the story, so well told by the Fort’s guide.

The views are superb!

Altit Fort

It seems almost impossible that this work of military engineering has survived more than 1,000 years to so many natural disasters and enemy invasions.

The Fort is situated in a strategic position, geographically at a lower elevation than its younger neighbor, the Baltit Fort.

Perhaps for this reason, the tower of Fort Altit is quite tall and imposing.

Approximately 400 years had passed after its construction, when the Altit Fort came under a family dispute between the two brothers of the royalty, Prince Shah Abbas (Shabos) and Prince Ali Khan.

It was this dispute that gave rise to the Baltit Fort. The elder brother Prince Shabos got the Baltit, while the Altit remained under the rule of Prince Ali Khan.

After much discord and successive attacks, Baltit became the capital of Hunza.

The guide told us that, there is a legend among the locals that the younger brother, Prince Ali Khan, was buried alive by Prince Shabos inside one of the pillars of the watchtower.

Legend or not, believe me that when the guide tells you the story, you will stare at the pillar!

Altit Fort also served as an important base for merchants from all over the world who passed through here while traveling the Silk Road.

Khunjerab Pass

Border post between Pakistan and China

It is the highest paved border in the world. This alone attracts attention.

The border post between Pakistan and China welcomes curious tourists who take portraits with the neighboring country’s mountains as a backdrop.

The place, situated at an altitude of almost 5,000 meters, is emblematic and only visitable between March and October (depending on the weather).

In my opinion, what really surprised me was the way to get there.

The road to the top takes you through the Khunjerab National Park, home to many animal species, some endangered. It is extraordinary, and simultaneously comforting, to see so much wildlife out there in freedom.

The mountain peaks take on an overwhelming dimension as you climb up to the border. They are a dazzle to the eyes.

Rakaposhi

The summit of Rakaposhi

7,788 meters of altitude, infinite meters of “spectacularity”! It is also said to be known as the “mother of mist”, and I think the image speaks for itself.

Rakaposhi is impressive. It makes us feel small in front of it. It makes us feel bewitched by its mesmerizing image.

When the winds dance on its summit, the mist that gives it its name is generated. It is possible to perceive that up there the temperature is freezing and the climate inhospitable.

This giant of the Karakoram has as much off delicacy, as nature in its raw state. The mountain materializes the dichotomy of nature.

There are so many amazing peaks in the Karakoram that it is hard to choose one to be the chosen one.

Gilgit-Baltistan

Naltar Valley

Lush forests, crystal clear lakes, and the peace of rural life. Perhaps these are the best terms to describe the Naltar Valley.

Upper part of the valley, in the most remote part

Uniquely beautiful, this magical valley is only accessible with 4×4 vehicles. And in a way it’s good that it is.

Being one of the most untouched places, especially in the most remote parts of the valley, in my opinion, it would be a shame to have mass tourism in this area.

Around there you can still get a sense of what rural life was like in that area a few years ago. Far from everything, it maintains nature and customs in a pure state.

Girl guards the flock on the mountain

Reaching the most remote part of the valley is like taking a trip back in time.

Shepherds wander with their flocks, which graze freely in the valley. The only thing you hear is the animals’ bleating and the wind that makes the branches of the trees dance.

The most remote place of all the remote places we had the opportunity to visit still has wild horses grazing on its slopes.

In the most distant parts of Naltar life is hard. Comfort is scarce in stone houses, which only have a fire to warm the atmosphere.

The winters are extremely harsh and the inhabitants are forced to look for the areas closer to the valley, where the river flows, to find a milder temperature.

Although the Naltar Valley is starting to become quite popular as a tourist destination, especially in the winter for snow sports, there are still areas that remain just as they were dozens of years ago.

Phander Valley and Langar Meadows

Phander Valley view

I will never have words that do justice to the beauty of this region. It is an idyllic place, of an almost naive beauty. The light, the peace, the perfection of everything in the right place. 

In the Phander Valley, the bucolic image of sheep grazing in the green fields by the riverside takes us back to the imagery of 80’s movies, of a Sunday afternoon.

The dirt road winds along the valley, and sometimes there isn’t even a road.

The children who play freely among the donkeys that wander by, make us realize that life can be simple and uncomplicated.

When a car passes by, the whole village comes out to say goodbye. They welcome us with broad smiles and the innocence of those who live far from the big tourist centers.

Shandur National Park

Yaks in the wild

Further along the road, between Langar Meadows and Shandur, we are transported to a parallel universe. Herds of yaks run free on the plains to the sound of the wind that makes the dust dance in the air.

I know that I often repeat the phrase “it’s like being on the set of a movie” and that I run the risk of sounding cliché.

The truth is that the perfection of nature in this piece of world is almost unreal.

It is one of the most incredible landscapes I have ever had the opportunity to see in all my travels around the world.

It is not easy to get there and the journey is physically and psychologically demanding, but it is worth every minute!

Chitral

The city of Chitral is located by the river of the same name in the north of Khyber Pakhtunkhwa province.

The city is the capital of the district and prior to that was the capital of the principality of Chitral, until its incorporation into West Pakistan on August 14, 1947.

It is within the borders of Chitral that the highest and densest section of the Hindu Kush mountain range is located.

The valley is one of the most remarkable places in the world when it comes to natural scenic beauty.

Picturesque mountains, sulfur springs, juniper forests, friendly people, and trout-filled rivers, are truly fascinating.

Its culture is unique. There are two ethnic groups in Chitral. One is the Kalash, who are said to be the descendants of Alexander the Great. The other is called Kho, and they are a substantially larger group who live in harmony with their Kalash neighbors.

Shahi Mosque

Main facade of the Mosque

The Shahi Mosque is approximately 100 years old and is, to this day, the main place of worship in the city of .Chitral.

The facade of the main entrance, in shades of white and pink, with magnificent details carved into the stone, give this mosque an extraordinary architectural delicacy.

This is a mosque not as exuberant as the ones that started this post. More modest, but with a fabulous charisma, one breathes peace and wisdom here.

Inside, several students dedicated themselves to studying the Koran. In a constant litany, they recited the passages of the holy book. There, one studies religion, its principles and foundations.

It was an extraordinary experience to have the opportunity to witness these moments.

Kalash Valley

I assure you that there is no easy way to get to Kalash!

Given its remote geographical location, getting to Kalash is an adventure in itself. The road dug into the mountain, as wide as a car, close to the precipice, makes hearts palpitate strongly.

Road to Kalash

The Kalash Valley is in the Chitral District of northern Pakistan, surrounded by the Hindu Kush mountain range. There, tucked in by the huge mountains, the 3500 Kalash live in unique houses made of stone and wood that are stacked on top of each other on steep slopes.

The roof of one house is the balcony of another, on top of the house below. It is almost like a tetris of traditional architecture.

The largest and most populated valley, is Bumburet, reached by a road from Ayun in the Kunar valley. Rumbur is a side valley north of Bumburet. The third valley, Biriu, is a side valley of the Kunar Valley south of Bumburet.

Many historians believe that the Kalash are descendants of the soldiers of Alexander the Great, considering the history of the place and the physical characteristics of the inhabitants.

Light complexioned skins and green or blue eyes are predominant.

Kalash girl

It is possible to visit the local cooperative, where you can dress up in the attire of the women of Kalash. A tourist activity that has a purpose that can be considered worthy: to raise funds for this community.

There is also the possibility to have a local guide take you around the village and explain the culture of the Kalash people.

He also takes you to the local cemetery, which has quite particular features, such as open coffins in the open air. It is true, to say the least, you can say it is a different experience!

And if it is in diversity that we find the greatest beauty in the world, be sure to visit the amazing Kalash Valley.

Peshawar

No wonder they say that Peshawar is the friendliest city in Pakistan.

Between “Welcome to Peshawar” and “Welcome to Pakistan”, everywhere you feel the joy of having foreigners there.

Portraits from Peshawar

Peshawar is the capital of Khyber Pakhtunkhwa Province and the administrative center (but not capital) of the Federal Territory of Tribal Areas.

It is an ancient city, one of the oldest continuously inhabited cities in Asia, having passed through several ruling empires.

Everyone wants their portraits taken, everyone wants to show off their traditions, everyone wants you to taste their specialties, everyone offers tea, or bread, or whatever they have to offer.

It is hard to say “no” to these people, because their generosity is so great that it moves you deeply.

Old Town – Storytellers’ Market

It is in this city that we have the opportunity to visit the Storytellers Bazaar, a dream come true for me.

That place was part of the Silk Road and it was there that the merchants crossing the Continent stopped to rest.

It was also there that they shared the stories of the places they passed through, over a cup of tea. From the sharing of stories came the name of the bazaar.

For centuries, the Qissa Khwani (or Storytellers Bazaar) was the center of life in Peshawar. And it still remains so.

The architecture of this place is absolutely superb and always makes you walk around with your nose in the air admiring the details.

It is a place full of color, authenticity, tradition and craftsmanship. Where you can buy everything, eat, go to the movies, drink tea, always with a smile on the face from the people who welcome you.

The hustle and bustle is great there, especially at the end of the day, when the streets fill up with people, business intensifies, and you can hear pashtun on every corner.

Truck Art

They are quite possibly the most colorful vehicles in the world! You can see these trucks on the roads, especially in the mountains of Northern Pakistan.

The detailed hand work turns these trucks into authentic works of art, and having the opportunity to visit one of the places where this art is made is a fabulous experience.

To witness the carved woodwork and the hand-made paintings makes it feel like you are in an open-air gallery.

There is a whole coordination of artisans who bring these giants of Pakistani roads to life!

Khyber Pass

Credits: Francisco Agostinho

Taking the road that was once the Silk Road and is currently the road that leads to Kabul is exciting.

Most stories of conflict in the subcontinent pass through this place. Some older, some more recent, all have one geography in common, the Khyber Pass.

Because it is an unstable region, and without wanting to go into too much geopolitical detail, progress on the road always depends on how things are at the time.

In our case, we were advised by the military man accompanying us, to turn back.

Islamabad

Faisal Mosque

Credits: Francisco Agostinho

The Faisal Mosque is the ultimate icon of Pakistan’s capital city. Not only because it is the largest mosque in the country, but also because it marks the image of the city with its contemporary and striking architecture.

The iconic landmark of Islamabad’s landscape is among the 50 most beautiful buildings in the world, and is considered by researchers to be a perfect building as it falls within the parameters of the “Golden Ratio”, which determines the architectural balance of a structure.

The Mosque is so spectacular in its dimensions that it can accommodate some 300,000 worshippers.


PT

Já pensaram quais são as 25 coisas mais espantosas para ver no Norte do Paquistão?

O Paquistão é, indiscutivelmente, um destino de excelência que começa a afirmar-se no panorama turístico internacional. Indiscutivelmente, há muitos mais pontos de interesse a visitar, e condensar tudo em apenas 25, não é fácil e chega a ser redutor.

Aviso: Utilizo links de afiliação, o que significa que se comprarem algo através dos meus links de afiliação, recebo comissão sem custos adicionais para vocês! Os meus pontos de vista e opiniões nunca são influenciados por isso! Apenas recomendo produtos e serviços que utilizo! Leiam a minha divulgação para mais informações.

Para quem só vê o que as notícias transmitem, é difícil imaginar que haja um lugar como o Norte do Paquistão… no Paquistão. Quem desconhece o que este país tem para oferecer, questiona frequentemente o que leva alguém a viajar para lá.

Imaginem um território com picos montanhosos monumentais, lagos azul-turquesa, planícies idílicas e pequenas aldeias escondidas nos vales.

Imaginem um lugar onde a natureza é tão majestosa que nos deixa sem palavras todos os dias, em cada curva da estrada.

Agora, adicionem a essa imagem a arquitetura tradicional, os monumentos extraordinários e as mesquitas, que são autênticas obras de arte.

Por fim, somem uma diversidade cultural única, cheia de tradição e um povo absolutamente fenomenal.

Assim, é o Norte do Paquistão!

Durante as 3 semanas que estive pela região, tive oportunidade de me deslumbrar com diversos tipos de paisagem e de experienciar as vivencias das pessoas que lá vivem.

É um território tão diversificado que se torna difícil escolher as coisas mais espetaculares para ver. Mas vamos a isso!

Querem viajar com tranquilidade? Façam um seguro de viagem IATI com o meu link e tenham 5% de desconto imediato. Cliquem na imagem

Lahore

A surpreendente Lahore que alia história à modernidade, numa metrópole com identidade muito própria. Lahore consegue manter a excelência de uma cidade cultural e ser elegante, no meio do seu caos organizado.

É, assumidamente, a capital cultural do País e não defrauda as expectativas de quem a visita.

Das mesquitas aos bazares, da paz dos jardins ao burburinho da zona antiga, Lahore tem tudo e convence quem a visita a ficar por ali uns dias para a explorar.

Mesquita Badshahi

Fachada principal da mesquita
Créditos: Francisco Agostinho

Símbolo do Império Mogol (1526-1857), construída em 1671, a Mesquita Badshahi é a jóia da coroa de Lahore, e um dos lugares de oração mais belos do Paquistão.

A sua arquitetura é caracterizada pela cor avermelhada, com detalhes esculpidos, típicos da era de construção.

O enorme pátio da mesquita pode albergar até 100.000 peregrinos, fazendo dela a segunda maior mesquita do Paquistão.

É, indiscutivelmente, um dos lugares de oração mais impactantes do país e vale a pena passar ali um bom bocado a contemplar os seus detalhes.

Indiscutivelmente, é um dos edifícios mais bonitos que tivemos oportunidade de visitar. E não é fácil ter este estatuto, já que o Norte do Paquistão está recheado de edifícios fabulosos.

Por ali, para além da fé e da monumentalidade arquitetónica, que anda de mãos dadas com a delicadeza do lugar, respira-se paz e tranquilidade.

Horário de funcionamento: todos os dias das 08h00 – 20h00

Forte de Lahore

Palácio dos Espelhos no interior do Forte
Créditos: José Nepomuceno

Mesmo em frente à Mesquita Badshahi, na parte noroeste da Cidade Muralhada da Cidade de Lahore, encontra-se o histórico e imponente Forte, um monumento de visita obrigatória.

No século XI, esta construção começou por ser uma simples fortificação feita com tijolos de adobe, e durante os 500 anos seguintes foi destruída e reconstruída diversas vezes, período em que os mongóis, Timur e Pashtuns invadiram a região.

O complexo do forte é enorme, sendo que um dos pontos altos a ver é o deslumbrante Sheesh Mahal, ‘O Palácio dos Espelhos’. Construído em 1631 por Shah Jahan, o seu interior é decorado com incontáveis azulejos de vidro refletor.

O detalhe do trabalho dos “espelhos” embutidos na pedra é maravilhoso e, ainda que manifestando sinais de decadência, o lugar é único.

O Forte é património classificado pela UNESCO desde 1981.

Vista para a Mesquita Badshahi a partir do Forte
Créditos: Francisco Agostinho

A cereja no topo do bolo, é a vista que se tem da Mesquita Badshahi a partir do Forte.

Horário de funcionamento: todos os dias das 08h00 – 19h00

Túmulo de Jahangir

Outro dos lugares históricos mais notáveis, de visita obrigatória, é o Túmulo de Jahangir.

É um mausoléu construído para Jahangir, um dos imperadores mais importantes do Império Mogol, que governou entre 1605 e 1627. A construção do túmulo terá sido concluída no ano de 1637.

A arquitetura deste lugar apresenta alguns mosaicos feitos com pedras semipreciosas. Este túmulo tem uma importância extraordinária, dado que é o único túmulo Mogol que resta no Paquistão!

Dentro do complexo, vão também encontrar um grande jardim onde os habitantes locais convivem e usufruem do espaço com as suas famílias.

Horário de funcionamento: todos os dias das 08h00 – 19h00

Jardins Shalimar

Lago no interior do jardim
Créditos: Francisco Agostinho

Os jardins Shalimar são também conhecidos como “o paraíso perdido”.

Este complexo de jardins remonta à era Mogol e foi concluído em 1642 sob o domínio do Imperador Shah Jahan (um dos filhos do Imperador Jahangir). Provavelmente este nome não vos é estranho, foi o mesmo imperador responsável pela construção do Taj Mahal.

Os padrões elaborados de forma detalhada e a atenção aos pormenores, podem ser vistos em cada uma das estruturas presentes no complexo.

São o lugar perfeito para um passeio relaxante nos dias de calor. Aliás, por ali vão encontrar muitos habitantes locais a desfrutar do espaço e a conviver, entre amigos e em família.

O complexo tem também um grande lago, que confere ao local um ambiente fresco e bastante agradável.

Horário de funcionamento: 08h00 – 18h00

Bazar da Porta de Deli

Rua secundária no interior do bazar

A Cidade Murada de Lahore (também conhecida como a Cidade Velha) costumava ter 13 portas que permitiam a entrada no centro urbano.

Quando os britânicos conquistaram a região, quase todos essas entradas foram destruídas. Seis portas foram reconstruídas desde então, sendo a Porta de Deli uma delas.

Atualmente, há dentro desta porta um mercado bastante movimentado, no qual se sente o pulsar da vida diária!

Os cheiros, as cores, os barulhos, estimulam os sentidos a quem visita este local. A luz ténue que se mistura com a poeira no ar, dá ao mercado uma atmosfera peculiar.

É um ótimo lugar para conhecer os locais, conviver com eles e ter um vislumbre da vida mundana em Lahore.

Percam-se nas ruelas, deixem-se levar pelos aromas e desfrutem da cordialidade das pessoas, que vos vão receber com sorrisos rasgados.

Contrariamente ao que acontece em muitos bazares pelo mundo fora, aqui ninguém vos vai impingir nada, ninguém vai insistir para que comprem o que quer que seja.

Todas as abordagens que vos vão fazer são de curiosidade e de demonstração de alegria em vos ver por ali.

Mesquita Wazir Khan

Camara de oração da mesquita

A partir do mercado na Porta de Deli, é possível ver um minarete amarelo. Se caminharem até ele, vão alcançar a Mesquita Wazir Khan.

Entrem e deslumbrem-se com esta obra arquitetónica espetacular, desfrutem da paz e usufruam da energia que se sente neste lugar tão único e especial.

É incrível como no meio de um mercado cheio de vida e de rebuliço, se consegue sentir uma serenidade tão grande.

Esta mesquita foi construída entre 1634 e 1641 pelo Imperador Shah Jahan, e o seu deslumbrante azulejo ornamentado vai cativar a vossa atenção logo no pátio exterior, assim que se aproximarem do portão de entrada.

A partir do momento em que entram, a visão torna-se ainda mais soberba. Todas as superfícies interiores da mesquita, incluindo os seus tetos e arcos, estão cobertas de frescos com padrões maravilhosos.

Junto da entrada da mesquita vão encontra o Calligraphers Bazaar, que atravessa o eixo da entrada num ângulo reto, e é marcado neste cruzamento com uma grande varanda com uma cúpula no topo.

Khattats (calígrafos mestres) de renome reproduziram versos do Alcorão e da poesia persa em elegante Nastaliq, guiões Naskh e formas Tughra dentro de elaborados contornos e de formas geométricas e florais.

Hopper – Glaciar

Vista do glaciar a partir do miradouro principal

Disseram-nos que é o glaciar mais antigo do Paquistão. É também conhecido por Bualtar. E podemos encontrá-lo num cenário inóspito, aconchegado por picos montanhosos.

É considerado um glaciar de tamanho médio, embora tenha 18 kms de comprimento, e o seu curso corre pela encosta norte das Karakoram, no distrito de Nagar.

Ainda que não considerado de grandes dimensões, o Hoper é o 34º maior glaciar do mundo.

Não sei se já tiveram oportunidade de ver um glaciar e de estar bem perto dele, mas é uma sensação tão única que se torna quase indescritível.

Somos pequenos perto da imensidão da natureza e este gigante gelado, com a sua peculiar cor preta, que o torna tão distinto de outros glaciares, não nos deixa esquecer disso.

E no que toca a glaciares esta região de Hoper, é uma privilegiada. Além do Hoper, tem mais 2: o Barpu e o Mier.

Para quem é amante deste tipo de paisagem, é como chegar ao “céu dos glaciares”.

Aproveitem os pontos de repouso ao logo do percurso pedonal que leva ao miradouro principal, para irem parando e desfrutando da paisagem e da tranquilidade do lugar.

Cerimónia Wagah

Momento da cerimónia

Já tinha visto a cerimónia em vídeos do Youtube, também já tinha lido bastante sobre ela, mas nada, absolutamente nada, nos prepara para o que vamos ver ao vivo.

A pouco kms de Lahore, o Paquistão e a Índia partilham uma das fronteiras mais militarizadas do mundo.

Fruto de uma história nem sempre pacífica, a divisão entre os dois países, que em tempos foram só um, deu origem a uma cerimónia peculiar.

A vila de Wagha fica numa fronteira controversa. A sua metade oriental permanece na Índia, enquanto a sua metade ocidental está no Paquistão, dividida ao meio pelos britânicos, em 1947.

Wagah continua a ser o único posto fronteiriço rodoviário entre a Índia e o Paquistão, embora não seja permitida a passagem livre de veículos e pessoas.

A cada pôr-do-sol, desde que se deu a partição, a travessia entre os dois países tem sido encenada na cerimónia da bandeira Wagah. É um espetáculo a não perder.

Todos os finais de tarde, os militares indianos e paquistaneses, saem para o aplauso de milhares de espectadores, que se dividem entre as bancadas dos 2 países.

Enquanto um dos lados grita “Pakistan Zindabad” ou “Longa vida ao Paquistão”, o outro grita “Jai Hind” ou “Viva a Índia”.

É impressionante ver tanta gente aos gritos e a vibrar pela sua nação. Uma nação relativamente recente, mas com uma história milenar.

A energia é tão intensa que, quer queiramos quer não, damos por nós aos gritos também. Quando dei por mim estava a gritar com eles, como se fosse paquistanesa desde pequenina!

No final da cerimónia, dá-se o breve aperto de mão simbólico e descerraram-se as bandeiras simultaneamente. Para terminar, os portões são fechados.

É, garantidamente, uma experiência única.

Vale de Hunza

Se já algum dia a vossa curiosidade vos levou a pesquisar sobre o Paquistão, com toda a certeza encontraram imagens de Hunza. Esta é uma das regiões mais turísticas do país.

Apesar de a região ser conhecida pelo nome “Vale de Hunza”, a sua extensão é bem mais vasta do que o vale a que o nome se refere.

Era por aqui, na zona de Karimabad, que passava a mítica Rota da Seda.

E se há coisa que desperta a imaginação e curiosidade dos viajantes, é esta rota que viu passar caravanas de mercadores e peregrinos, durante milhares de anos de história.

Karimabad está stuada num ponto estratégico da estrada que percorre as Karakoram. Fica aconchegada pelos picos montanhosos que a envolvem e é banhada pelo rio que corre no vale.

Provavelmente, Karimabad ainda conserva algumas semelhanças dos tempos em que foi uma paragem importante ao longo da Rota milenar.

Talvez tenha sido isso que a tornou num ponto de atração turística nesta região do Norte do Paquistão. Isso e o deslumbramento que nos provoca a paisagem em que se encontra.

Passu Cones

Passu Cones a partir da Karakoram Highway

Sou suspeita para falar de uma das paisagens mais extraordinárias que já vi em todas as minhas viagens pelo mundo.

Levava na memória as imagens icónicas que fui vendo ao longo dos anos na internet e tinha o sonho de ver este lugar com os meus próprios olhos.

A “Catedral de Passu” é uma obra de arte da natureza e um marco na paisagem. Ninguém lhe fica indiferente.

Estar ali é um misto de “estou no cenário de um filme”, com “não me acordem porque estou a sonhar”.

Se a natureza escrevesse poesia, em algum dos seus versos falaria sobre este lugar épico. A vista é tão avassaladora que nos faltam as palavras quando os nossos olhos a veem.

Ponte Hussaini

Vista da ponte com os Passu Cones como cenário de fundo

Tem o título de maior ponte suspensa do mundo e tem também fama de ser a mais perigosa de todas as pontes suspensas.

A sequência de tabuas que a compõem desafiam os mais aventureiros a atravessar a estrutura e intimidam os mais receosos, como eu!

Confesso que me faltou a coragem para passar das 2 primeiras tabuas. Mas ver os habitantes locais a passar com ligeireza a ponte, fez-me pensar que, de facto, a necessidade faz com que o ser humano se adapte às circunstâncias e relativize o perigo.

Lago Attabad

Créditos: Usman Ghani

As suas águas de cor azul-turquesa ofuscante, fazem dele um dos lugares mais bonitos do Paquistão.

O lago Attabad nasceu de uma calamidade natural, quando ocorreu um grande deslizamento de terras em 2010. O fluxo do rio Hunza foi bloqueado, e o agora famoso lago foi criado no seu curso.

Ao logo do tempo, o lago tornou-se uma atração turística e é lá que podem desfrutar de atividades lúdicas, como fazer um bonito passeio de barco pelo espelho de água.

Ninho da Águia

Pôr do sol a partir do miradouro do Eagle’s Nest. Em baixo, o vale de Hunza.

O Ninho da Águia é um dos pontos altos de onde podem ver um dos pores-do-sol mais épicos na região de Hunza.

As vistas são absolutamente avassaladoras e de cortar a respiração. A sensação que vão ter, é quase como se estivessem a sobrevoar o vale de Hunza.

Não se deixem enganar pelo nome, porque efetivamente não há ninhos de águia no local.

O nome advém de uma formação rochosa, que dizem assemelhar-se a um ninho de águia… facto questionável, mas o que conta é a vista!

Forte Baltit

Com uma localização privilegiada, o Forte de Baltit permite ter uma perspetiva soberba do Vale de Hunza.

Talvez por isso, durante 800 anos, tenha servido de ponto estratégico para proteção e defesa da zona.

A sua arquitetura única faz com que o Forte seja um lugar de interesse a visitar. Tanto o exterior como o interior são de uma singularidade extraordinária.

Percam-se no edifício a explorar cada recanto e deixem-se conquistar pela história, tão bem contada pelo guia do Forte.

As vistas, essas, são soberbas!

Forte Altit

Parece quase impossível que esta obra de engenharia militar tenha sobrevivido mais de 1.000 anos a tantas catástrofes naturais e invasões inimigas.

O Forte encontra-se situado numa posição estratégica, geograficamente a uma cota mais baixa que o seu vizinho mais novo, o Forte Baltit.

Talvez por essa razão, a torre do Forte Altit seja bastante alta e imponente.

Tinham passado aproximadamente 400 anos após a sua construção, quando o Forte Altit ficou sob uma disputa familiar entre os dois irmão da realeza, o príncipe Shah Abbas (Shabos) e o príncipe Ali Khan.

Foi esta disputa que deu origem ao Forte Baltit. O irmão mais velho Príncipe Shabos ficou com o Baltit, enquanto o Altit permaneceu sob o domínio do Príncipe Ali Khan.

Depois de muita discórdia e ataques sucessivos, Baltit tornou-se a capital de Hunza.

Disse-nos o guia que, há uma lenda entre os habitantes locais que diz que o irmão mais novo, o Príncipe Ali Khan, foi enterrado vivo pelo Príncipe Shabos dentro de um dos pilares da torre de vigia.

Lenda ou não, acreditem que quando o guia vos contar a estória, vão ficar a olhar para o pilar!

O Forte de Altit serviu também como importante base para os mercadores do todo o mundo que aqui passavam, quando percorriam a Rota da Seda.

Khunjerab Pass

Posto fronteiriço entre o Paquistão e a China

É a fronteira pavimentada mais elevada do mundo. Isto só por si atrai a atenção.

O posto fronteiriço entre o Paquistão e a China recebe turistas curiosos que tiram retratos com as montanhas do país vizinho como pano de fundo.

O lugar, situado a quase 5.000 metros de altituade, é emblemático e apenas visitável entre março e outubro (dependendo da condição meteorológica).

Na minha opinião, aquilo que me surpreendeu mesmo foi o caminho até lá chegar.

A estrada até ao topo leva-nos a percorrer o Parque Nacional Khunjerab, casa de muitas espécies animais, algumas em risco de extinção. É extraordinário, e simultaneamente reconfortante, ver tanta vida selvagem por ali em liberdade.

Os picos montanhosos ganham uma dimensão avassaladora, enquanto se sobe até à fronteira. São um deslumbramento para os olhos.

Rakaposhi

O cume do Rakaposhi

7.788 metros de altitude, metros infinitos de “espectacularidade”! Diz-se ser também conhecida por ser a “mãe da neblina”, e julgo que a imagem fala por si.

O Rakaposhi é de uma imponência impressionante. Faz-nos sentir pequenos diante de si. Faz-nos sentir como que enfeitiçados com a sua imagem hipnotizante.

Quando os ventos dançam no seu cume, gera-se a neblina que lhe dá o cognome. É possível perceber que lá em cima a temperatura é gélida e o clima inóspito.

Este gigante das Karakoram tem tanto de delicadeza como de natureza em estado bruto. A montanha materializa a dicotomia da natureza.

São tantos e tão deslumbrantes os picos fantásticos nas Karakoram, que difícil é escolher um para ser o eleito.

Gilgit-Baltistan

Vale de Naltar

Florestas luxuriantes, lagos cristalinos e a paz da vida rural. Talvez estes sejam os melhores termos para descrever o Vale de Naltar.

Zona superior do vale, na parte mais remota

De uma beleza ímpar, este vale mágico é apenas acessível com veículos 4×4. E por um lado ainda bem que assim é.

Sendo um dos lugares mais intocados, em especial nas zonas mais remotas do Vale, na minha opinião, seria uma pena ter turismo massificado nesta área.

Por ali ainda é possível ter noção daquilo que era a vida rural naquela zona há uns anos. Longe de tudo, mantém a natureza e os costumes em estado puro.

Menina guarda o rebanho na montanha

Chegar à parte mais remota do vale é como fazer uma viagem no tempo.

Os pastores deambulam com os seus rebanhos, que pastam livremente no vale. A única coisa que se ouve é o balir dos animais e o vento que faz dançar os ramos das árvores.

O lugar mais remoto de todos os lugares remotos que tivemos oportunidade de visitar, ainda tem cavalos selvagens a pastar nas suas encostas.

Nas zonas mais distantes de Naltar a vida é dura. O conforto escasseia em casas de pedra, que apenas têm uma fogueira para aquecer o ambiente.

Os invernos são extremamente rigorosos e os habitantes vêem-se obrigados a procurar as zonas mais junto ao vale, onde o rio corre, para encontrar uma temperatura mais amena.

Embora o Vale de Naltar já comece a ser bastante popular enquanto destino turístico, nomeadamente no inverno por causa dos desportos de neve, há ainda áreas que permanecem tal e qual como eram há dezenas de anos.

Vale Phander e Langar Meadows

Vista do Vale de Phander

Nunca vou ter palavras que façam justiça à beleza desta região. É um lugar idílico, de uma beleza quase ingénua. A luz, a paz, a perfeição de cada coisa no lugar certo. 

No Vale de Phander a imagem bucólica das ovelhas a pastar nos campos verdejantes, à beira-rio, remete-nos para o imaginário dos filmes dos anos 80, de um domingo à tarde.

A estrada de terra batida serpenteia ao longo do vale e por vezes nem estrada existe, temos que nos fazer ao leito do rio para conseguir atravessar para a outra margem.

A crianças que brincam livremente entre os burritos que por ali passeiam, fazem-nos perceber que a vida pode ser simples e descomplicada.

Quando por ali passa um carro, vem toda a aldeia à rua para dizer adeus. Recebem-nos com sorrisos rasgados e a inocência própria de quem vive longe dos grandes centros turísticos.

Parque Nacional de Shandur

Planalto de Langar

Mais à frente no caminho, entre Langar Meadows e Shandur, somos transportados para um universo paralelo, onde manadas de yaks correm livremente nas planícies ao som do vento que faz dançar a poeira no ar.

Sei que repito muitas vezes a frase “é como estar no cenário de um filme” e que corro o risco de soar a cliché, mas a verdade é que a perfeição da natureza neste pedaço de mundo é quase irreal.

É uma das paisagens mais incríveis que já tive oportunidade de ver em todas as minhas viagens pelo mundo. Não é fácil chegar lá e a jornada é exigente em termos físicos e psicológicos, mas vale cada minuto!

Chitral

A cidade de Chitral está situada junto ao rio com o mesmo nome, no norte da província de Khyber Pakhtunkhwa. É a capital do distrito e antes disso foi a capital do principado de Chitral, até à sua incorporação no Paquistão Ocidental a 14 de Agosto de 1947.

É dentro das fronteiras de Chitral que se situa a secção mais alta e mais densa da cordilheira Hindu Kush.

O vale é um dos lugares mais notáveis do mundo no que diz respeito à beleza natural das paisagens. As montanhas pitorescas, fontes de enxofre, florestas de zimbro, pessoas amistosas e rios repletos de truta são verdadeiramente fascinantes.

A sua cultura é única. Existem dois grupos étnicos em Chitral. De um fazem parte os Kalash, que se diz serem os descendentes de Alexandre o Grande. O outro chama-se Kho e são um grupo substancialmente maior, que vive em pela harmonia com os seus vizinhos de Kalash.

Mesquita Shahi

Fachada principal da Mesquita

A Mesquita Shahi tem aproximadamente 100 anos e é, até hoje, o principal local de culto da cidade de .Chitral.

A fachada da entrada principal, em tons brancos e rosa, com detalhes magníficos esculpidos na pedra, conferem a esta mesquita uma delicadeza arquitetónica extraordinária.

Esta é uma mesquita não tão exuberante como as que deram início ao post. Mais modesta, mas com um carisma fabuloso, aqui respira-se paz e sabedoria.

No seu interior, vários estudantes dedicavam-se a estudar o Alcorão. Numa ladainha constante, recitavam as passagem do livro sagrado. Ali, estuda-se religião, os seus princípios e fundamentos.

Foi uma experiência extraordinária ter a oportunidade de presenciar estes momentos.

Vale Kalash

Garanto-vos que não há maneira fácil de chegar até Kalash!

Dada a sua localização geográfica tão remota, chegar a Kalash é, só por si, uma aventura. A estrada cavada na montanha, com a largura de um carro, junto ao precipício, faz palpitar fortemente os corações.

Estrada para Kalash

O Vale de Kalash encontra-se no Distrito de Chitral, no norte do Paquistão, rodeado pela cordilheira Hindu Kush. Ali, aconchegado pelas enormes montanhas, os 3500 Kalash vivem em casas únicas, feitas de pedra e madeira que são empilhadas umas em cima das outras em encostas íngremes.

O telhado de uma casa é a varanda de outra, no topo da casa inferior. É quase como um tetris de arquitetura tradicional.

O maior e mais populoso vale, é o Bumburet, alcançado por uma estrada a partir de Ayun no vale de Kunar. Rumbur é um vale lateral a norte de Bumburet. O terceiro vale, Biriu, é um vale lateral do Vale Kunar a sul de Bumburet.

Muitos historiadores acreditam que os Kalash são descendentes dos soldados de Alexandre o Grande, considerando a história do local e as características físicas dos habitantes. São predominantes as peles de tez clara e os olhos verdes ou azuis.

Menina de Kalash

É possível visitar a cooperativa local, onde podem trajar a rigor com as vestes das mulheres de Kalash. Uma atividade turística que tem um fim que pode ser considerado meritório: angariar fundos para esta comunidade.

Há também a possibilidade de terem um guia local que vos leva pela aldeia e explica a cultura do povo Kalash. Leva-vos também ao cemitério local, que tem características bastante particulares, como os caixões abertos a céu aberto. É verdade, no mínimo, pode dizer-se que é uma experiência diferente!

E se é na diversidade que encontramos a maior beleza do mundo, não deixem de visitar o surpreendente Vale de Kalash.

Peshawar

Não é à toa que dizem que Peshawar é a cidade mais simpática do Paquistão.

Entre “Welcome to Peshawar” e “Welcome to Pakistan”, em todo o lado sente-se a alegria por terem ali estrangeiros.

Retratos de Peshawar

Peshawar é a capital da província Khyber Pakhtunkhwa e centro administrativo (mas não capital) do Território Federal das Áreas Tribais.

É uma cidade antiga, uma das mais antigas continuamente habitada na Ásia, tendo passado por vários impérios dominantes.

Todos querem tirar retratos, todos querem mostrar as suas tradições, todos querem que se prove as suas especialidades, todos oferecem chá, ou pão, ou o que tiverem para oferecer.

É difícil dizer “não” a estas pessoas, porque a sua generosidade é tanta que nos comove profundamente.

Cidade Antiga – Mercado dos Storytelllers

É nesta cidade que temos oportunidade de visitar o Storytellers Bazaar, para mim um sonho tornado realidade.

Aquele lugar fazia parte da Rota da Seda e era ali que os comerciantes que atravessavam o Continente paravam para descansar.

Era ali também que partilhavam as estórias dos lugares por onde iam passando, ao sabor de um chá. Da partilha de estórias surgiu o nome do bazar.

Durante séculos, o Qissa Khwani (ou Storytellers Bazaar) foi o centro da vida em Peshawar. E ainda continua a ser.

A arquitetura deste lugar é absolutamente soberba e faz-nos andar sempre de nariz no ar a admirar os detalhes.

É um lugar cheio de cor, de autenticidade, de tradição e de artes manuais. Onde se pode comprar tudo, comer, ir ao cinema, beber chá, sempre com o sorriso no rosto por parte de quem nos recebe.

Por ali o rebuliço é grande, especialmente ao final do dia, quando as ruas se enchem de gente, os negócios se intensificam e se ouve pashtun em cada esquina.

Arte dos Camiões

São, muito provavelmente, os veículos mais coloridos do mundo! É possível ver estes camiões nas estradas, especialmente nas montanhas do Norte do Paquistão.

O trabalho manual detalhado, torna estes camiões em autênticas obras de arte e ter a oportunidade de visitar um dos locais onde se faz esta arte, é uma experiencia fabulosa.

Presenciar o trabalho de madeira esculpida e as pinturas feitas à mão, faz parecer que estamos numa galeria a céu aberto. Há toda uma coordenação de artesãos que dão vida a estes gigantes das estradas paquistanesas!

Khyber Pass

Créditos: Francisco Agostinho

Fazer a estrada que foi em tempos a Rota da Seda e que é atualmente a estrada que leva a Kabul, é emocionante.

A maioria das histórias de conflito no subcontinente passam por este local. Umas mais antigas, outras mais recentes, todas têm uma geografia em comum, o Khyber Pass.

Por ser uma região instável, e sem querer entrar em muitos detalhes geopolíticos, o avanço na estrada depende sempre de como as coisas estão na altura. No caso, foi-nos aconselhado pelo militar que nos acompanhava, a voltar para trás.

Islamabad

Mesquita Faisal

Créditos: Francisco Agostinho

A Mesquita Faisal é o ícone máximo da capital do Paquistão. Não só por ser a maior mesquita do país, mas também porque marca a imagem da cidade, com a sua arquitetura contemporânea e impactante.

O marco icónico da paisagem de Islamabad está entre os 50 edifícios mais bonitos do mundo, e é considerado pelos investigadores um edifício perfeito, dado estar dentro dos parâmetros do “Golden Ratio”, que determina o equilíbrio arquitetónico de uma estrutura.

A Mesquita é tão espetacular nas suas dimensões que pode acomodar cerca de 300.000 fiéis.

Exit mobile version