Mexico Magico – Beyond the travel cliché

ENG

It is impossible to describe the trip to Mexico in a few lines.

It was 3 weeks with 100 Rota, which consisted of an adventure in road trip format that mixed the experience of the soul of the pueblos magicos, the gastronomic experience, the immersion in the country’s history, and even a short trip to the heart of the tropical forest, very close to Guatemala’s border.

Source: Google Maps

Through many kilometers of road and a few miles by plane, we had the opportunity to enjoy the best the country has to offer.

Off the beaten track, outside the touristy clichés, there’s a hidden Mexico, full of fascinating traditions, still little explored by those who look for the Riviera Maya as a vacation destination. And, to some extent, it is just as well!

We started with Mexico City. I have always heard not so good things about the gigantic metropolis, the capital of the country. From the high crime rates, to the pollution, the danger of taking public transportation, everything is mentioned in the international official sites.

However, and to everyone’s surprise, it turned out to be a cosmopolitan city, full of culture and history, safe for those who visit, full of friendly people ready to help, and, be surprised, clean! Logically, a city of this size, with millions of inhabitants and vehicles, has air pollution.

But when it comes to urban garbage, it gives a lesson to any European city. Obviously, there are places to avoid, like the neighborhoods known for their reduced security. As for public transportation, which we used, it is spotless, safe, and it runs quite frequently.

It should be noted that, with very few exceptions, men will not sit next to a woman who is alone.

Mexico City has a whole cultural heritage to discover, ranging from the arts to gastronomy, including architecture, which I will cover in more detail in another article.

Very close to Mexico City, we also visited Teotihuacan with the colossal pyramids of the Sun and the Moon, and the Avenue of the Dead, all in a fascinating city, built by no one knows exactly who.

Then we went on to Puebla, where we stayed for a couple of days. The city looks like something out of a storybook. Vibrant with color and life, with traditional markets and also street artists.

We came across affable and friendly people, always ready to help, a trait common to all Mexicans. Filled with historic buildings and a zocalo that makes us want to stay there and admire the daily life of its inhabitants.

We also took a trip to Cholula, a colorful city from where we could see volcanoes and where we climbed to the church, once built by the Spanish, on top of what is believed to be the largest pyramid in the world in terms of surface area and whose structure is almost completely unexcavated.

After experiencing in Puebla the beginning of the Day of the Dead festivities, where Catrinas appeared at every corner we crossed, we continued to Oaxaca where we had the opportunity to join in the celebrations.

It was in Oaxaca that we celebrated the day most awaited by all, the Day of the Dead.

We were not able to make the longed-for night visit to the cemeteries because, by government order, they were closed due to the pandemic. Even so, the whole city was festive, with color, Catrinas, skeletons, papel picado, altars with offerings in honor of the deceased, candles and flowers.

Everyone there gets into the spirit, gets painted and dressed up, and of course, we did the same. There was music in the streets, traditional parades in the neighborhoods, and the party was everywhere. Those who arrive join in the celebrations and are greeted with smiles.

During the day we had the opportunity to visit the Xoxocotlán cemetery, the most popular in terms of celebrations at this time, and to understand how the Day of the Dead tradition is lived.

Then awaited us a grueling 12-hour overnight bus ride through the winding and difficult mountain roads to the surprisingly pueblo magico of San Cristóbal de las Casas, in the state of Chiapas.

San Cristóbal stayed in my heart. For the people and also for the beauty of the pueblo itself. It seems like a small town geographically, for the parameters of the country, but it is huge culturally.

We came across many people from neighboring pueblos, where there are still indigenous populations. The architecture, characterized by mostly ground-floor buildings, gives the city a harmonious look and makes us feel at home.

From San Cristóbal we went to San Juan Chamula. There we seem to have gone back in time. Culturally, everything is different from what we have seen so far. It is a side of Mexico unknown to many and explored by few who visit the country.

From the inhabitants, who maintain their ancestral Mayan culture, to their own dialects, to their rural life, their own religious practices, and peculiar clothing, everything there is different and quite closed in on itself.

Much is said about San Juan Chamula, but little is known.

It was also at this time that we visited Zinacantán, another pueblo magico where the indigenous traditions are still very much rooted, the local dialect is heard in conversation and the cuisine has a distinctive flavor.

It was in the home of a family, who generously opened the door for us to share a table with them, that we tasted what, in my opinion, were the best tortillas ever.

Furthermore, it was then time to enter the rainforest and head for Palenque. The way there is through the mountains, along zig-zag roads that pass through rural villages lost in time.

Locals say that Chiapas is “Mexico’s forgotten state,” and here you understand why. However, forgetfulness as far as major urban development is concerned, means that we are treated to lush forest and a breathtaking landscape.

Once we arrived in Palenque, where we stayed in a picturesque place in the middle of the jungle, we went to visit the UNESCO world heritage Mayan ruins. We walked through a portion of the jungle before reaching the mythical Temple of the Inscriptions.

And what a magnificent sight! The fact that this complex of ruins is still surrounded by dense forest also makes it more extraordinary and transports us to another time in an almost mystical way.

Close by, it was possible to visit the Blue Waterfall and the Misol Ha Waterfall (in the picture). And what can I say about both? Although so different, they are monumental “works” of nature.

It’s extraordinary, how in a short space of territory we can find such spectacular “works”, made by Men and Nature. As could not be otherwise, we went for a swim!

From there we drove up towards Villahermosa, in the state of Tabasco. A city that is not exactly spectacular or appealing. A financial center, where the tourist doesn’t have much to do.

Our purpose for being there was to catch the flight back to the center of the country, but even so, in the time we had available, we went for a walk and visited the Parque Museo La Venta, where the great Olmec sculptures are found.

The park’s less positive point was that its advertising created the expectation that it would be possible to enjoy the fauna and flora, and this boiled down to having a zoo inside.

We then proceeded to Guanajuato, with a stopover in Mexico City. Why is this information relevant? Because during the flight we flew somewhat closely over the Popocatépetl volcano, near Puebla.

And what an incredible sight! For those who, like me, are fascinated by volcanoes, it was an indescribable moment to have the opportunity to see from above and “up close” an active volcano.

Frame from video

We arrived in Guanajuato! What a dream city, what a dazzle for the eyes, such cultural richness and monumental views! I lack adjectives for this city.

This was, without a doubt, my favorite pueblo magico. I would have easily stayed there longer to explore all the nooks and crannies of the city, which are endless.

Guanajuato is the student city, where the students can be heard everywhere at the same time as the mariachi playing on every corner, where the inhabitants have an easy smile and a good sense of humor.

Guanajuato deserves an article all its own, and so it shall have one.

And finally, we went to Guadalajara, in the state of Jalisco. This is the second-largest city in Mexico, but it still manages to retain a spectacular historic center that lives in harmony with the surrounding city.

Being a visibly wealthy city, it was here that we felt the most social discrepancy. This is the birthplace of the mariachi and the State of Jalisco is the birthplace of tequilla, with endless fields of agave plantations, a UNESCO heritage site.

Logically, a visit to this side of the country imposes not only seeing a good show of traditional music and dance, but also a visit to the distilleries where the most famous drink of the place is made.

And so it was!

The trip ended with our return to the capital to fly home. I left with the desire to return and explore more of this immense country, rich in history and traditions. As the Mexicans say: “Mexico mi amor” … see you soon!

And for those (brave readers) who made it this far and want to know more information about each of the places visited, stay tuned for the next articles!


PT

É impossível descrever a viagem ao México em poucas linhas.

Foram 3 semanas, com a 100 Rota, que consistiram numa aventura em formato de road trip que misturou a vivência da alma dos pueblos mágicos, passou pela experiência gastronómica, mergulhou na história do país e ainda deu um pulinho ao coração da floresta tropical, já bem próximo da fronteira com a Guatemala.

Imagem criada a partir do Google Maps

Pelo meio de muitos quilómetros de estrada e algumas milhas de avião, fomos tendo a oportunidade de desfrutar do melhor que o país tem para oferecer.

Fora dos roteiros mais comuns, alheio aos clichés turísticos, há um México escondido, repleto de tradições fascinantes, ainda pouco explorado pelos que procuram a Riviera Maia como destino de férias. E, em certa medida, ainda bem que assim é!

Começámos pela Cidade do México. Desde sempre que oiço coisas menos boas sobre a gigantesca metrópole, capital do país. Desde os elevados índices de criminalidade, à poluição, ao perigo que é frequentar transportes públicos, tudo é referido nos sites oficiais internacionais.

No entanto, e para surpresa de todos, revelou-se uma cidade cosmopolita, repleta de cultura e história, segura para quem a visita, cheia de gente simpática e pronta a ajudar e, espantem-se, limpa! Logicamente que uma cidade desta dimensão, com milhões de habitantes e de veículos a circular, tem poluição atmosférica.

Mas no que respeita ao lixo urbano, dá uma lição a qualquer cidade europeia. Obviamente há locais a evitar, como os bairros conhecidos pela segurança reduzida.

Já no que diz respeito aos transportes públicos, que foram os que utilizámos, são extremamente limpos, seguros e passam com bastante frequência.

De notar que, salvo raríssimas exceções, os homens não se sentam ao lado de uma mulher que esteja sozinha.

A Cidade do México tem todo um espólio cultural para conhecer, que vai das artes à gastronomia, passando pela arquitetura, que noutro artigo irei tratar com mais detalhe.

Bem perto da Cidade do México, fomos ainda visitar Teotihuacan com as colossais pirâmides do Sol e da Lua, e a Avenida dos Mortos, tudo numa cidade fascinante, construída por não se sabe ao certo bem quem.

Seguimos então para Puebla, onde ficámos uns dias. A cidade parece saída de um livro de estórias. Vibrante de cor e de vida, com mercados tradicionais e também o dos artistas de rua.

Cruzámo-nos com gente afável e simpática, sempre pronta a ajudar, característica transversal a todos os mexicanos. Repleta de edifícios históricos e com um zocalo que nos faz querer ficar por ali a admirar o quotidiano dos seus habitantes.

Demos também um salto até Cholula, cidade colorida de onde se avistam vulcões e onde subimos à igreja, construída outrora pelos espanhóis, no cimo daquela que se pensa ser a maior pirâmide do mundo em termos de superfície e cuja estrutura se encontra praticamente toda ainda por escavar.

Depois de sentirmos em Puebla o início das festividades do Dia dos Mortos, onde Catrinas surgiam a cada esquina que cruzávamos, seguimos até Oaxaca, onde tivemos oportunidade de nos juntarmos às comemorações.

Foi em Oaxaca que celebrámos o dia mais esperado por todos, o Dia dos Mortos. Não nos foi possível fazer a tão almejada visita noturna aos cemitérios porque, por ordem do governo, estavam fechados devido à pandemia.

Ainda assim, toda a cidade era festa, cor, Catrinas, esqueletos, papel picado, altares com oferendas em honra dos falecidos, velas e flores. Ali todos entram no espírito, pintam-se e vestem-se a rigor, claro está, nós fizemos o mesmo.

Há música na rua, desfiles tradicionais nos bairros e a festa faz-se um pouco por todo o lado. Quem chega entra nas celebrações e é recebido com sorrisos. Tivemos oportunidade de visitar durante o dia o cemitério de Xoxocotlán, o mais badalado no que respeita às comemorações nesta altura e de perceber como é que se vive a tradição do Dia dos Mortos.

Esperava-nos então uma dura viagem noturna de 12 horas em autocarro pelas estradas sinuosas e difíceis das montanhas, até ao surpreendente pueblo magico de San Cristóbal de las Casas, no estado de Chiapas.

San Cristóbal de las Casas ficou-me no coração. Pelas pessoas e também pela beleza do pueblo propriamente dito. Parece uma cidade pequena em termos geográficos, para os parâmetros do país, mas é enorme em termos culturais.

Por ali cruzámo-nos com muita gente proveniente de pueblos vizinhos onde ainda existem populações indígenas. A arquitetura, caracterizada maioritariamente por edifícios de piso térreo, confere à cidade um ar harmonioso e faz-nos sentir em casa.

De San Cristóbal fomos até San Juan Chamula. Ali parece que voltámos atrás no tempo. Culturalmente é tudo diferente do que vimos até então. É um México desconhecido de muitos e explorado por poucos os que visitam o país.

Desde os habitantes, que mantêm a cultura ancestral Maia, aos dialetos próprios, à ruralidade, às práticas religiosas próprias e ao vestuário peculiar, ali tudo é diferente e bastante fechado em si.

De Jan Juan Chamula diz-se muito, mas sabe-se pouco.

Foi também nessa altura que visitámos Zinacantán, outro pueblo magico onde as tradições indígenas ainda estão bastante enraizadas, o dialeto próprio faz-se ouvir nas conversas e a culinária tem um sabor distinto.

Foi na casa de uma família, que generosamente nos abriu a porta para com eles partilharmos a mesa, que provámos aquelas que, na minha opinião, foram as melhores tortillas de sempre.

Estava então na altura de nos embrenharmos na floresta tropical e rumar até Palenque. O caminho até lá faz-se pela montanha, por estradas em zigzag que atravessam povoações rurais perdidas no tempo.

Os locais dizem que Chiapas é “o Estado esquecido do México”, e aqui percebe-se porquê. No entanto, o esquecimento no que respeita ao maior desenvolvimento urbano, faz com que sejamos brindados com floresta luxuriante e uma paisagem de cortar a respiração.

Chegados a Palenque, onde ficámos alojados num local pitoresco no meio da selva, fomos visitar as ruínas Maias património mundial da UNESCO. Percorremos uma porção de selva antes de chegar ao mítico Templo das Inscrições. E que visão magnífica!

O facto de este complexo de ruínas estar ainda rodeado de floresta densa torna-o também mais extraordinário e transporta-nos para outra época de uma forma quase mística.

Ali bem perto foi possível visitar a Cascata Azul e a cascata Misol Ha (esta última na foto). E o que dizer sobre ambas? Embora tão diferentes são “obras” monumentais da natureza.

É extraordinário, como num curto espaço de território se encontram “obras” tão espetaculares, feitas pelo Homem e pela Natureza. Como não podia deixar de ser, fomos a banhos!

Dali subimos em direção a Villahermosa, no Estado de Tabasco. Uma cidade não propriamente espetacular ou apelativa. Centro financeiro, onde o turista não tem muito o que fazer.

O propósito de ali estarmos era apanhar o voo para voltarmos ao centro do país, mas ainda assim no tempo de que dispúnhamos, fomos dar uma volta e conhecer o Parque Museu La Venta, onde se encontram as grandes esculturas Olmecas.

O ponto menos positivo do Parque foi, na sua publicidade, criar a expetativa de ser possível usufruir da fauna e da flora, e isso se resumir a ter um jardim zoológico lá dentro.

Seguimos então para Guanajuato, com escala na Cidade do México. Porque é que esta informação é relevante? Porque durante o voo sobrevoámos com alguma proximidade o vulcão Popocatépetl, junto a Puebla. E que visão incrível!

Para quem, como eu, é fascinado por vulcões, foi um momento indiscritível ter a oportunidade de ver de cima e de “perto” um vulcão em atividade.

Frame do vídeo

Chegámos a Guanajuato! Que cidade de sonho, que deslumbre para os olhos, que riqueza cultural, que vistas monumentais! Faltam-me adjetivos para esta cidade. Este foi, sem dúvida, o meu pueblo magico favorito.

Tinha, facilmente, ficado lá mais tempo para explorar todos os recantos da cidade, que são infindáveis. Guanajuato é a cidade estudantil, onde as tunas académicas se ouvem por todo o lado em simultâneo com os mariachi que tocam em cada esquina, onde os habitantes têm sorriso fácil e bom sentido de humor.

Guanajuato merece um artigo só seu, e terá.

E por fim, fomos até Guadalajara, no Estado de Jalisco. Esta é a segunda maior cidade do México, mas ainda assim, consegue conservar um centro histórico espetacular que vive em harmonia com a urbe que o rodeia. Sendo uma cidade visivelmente abastada, foi aqui que sentimos maior discrepância social.

Esta é a cidade berço dos mariachi e o Estado de Jalisco é o berço da tequila, com campos intermináveis de plantações de agave, património da Unesco.

Logicamente que uma visita a este lado do país impõe não só ver um bom espetáculo de música e dança tradicional, como também uma visita às destilarias onde se faz a bebida mais famosa do local. E assim foi!

A viagem terminou com o regresso à capital, para voarmos para casa. Fica a vontade de regressar e explorar mais este imenso país, riquíssimo em história e tradições. Como dizem os mexicanos: “México mi amor” … até já!

E para os (corajosos da leitura) que chegaram até aqui e que queiram saber mais informações sobre cada um dos locais visitados, fiquem atentos aos próximos artigos!

5 thoughts on “Mexico Magico – Beyond the travel cliché”

  1. Pingback: Guanajuato – 10 Things to Do in The City of a Thousand Legends

  2. Pingback: Guanajuato – 10 Things to Do in The City of a Thousand Legends

  3. Pingback: San Juan Chamula – A unique place in Mexico -

  4. Pingback: Dia de Muertos – Celebrating the Tradition in Mexico -

  5. Pingback: 11 Awesome Things To Do in Mexico City -

Leave a Reply

%d bloggers like this: